Nossas doenças como símbolos...


“De tal maneira que, de nossa parte, não queiramos mais saúde que enfermidade...”(EE 23). Muitas vezes o corpo sinaliza o que, na realidade, a alma deseja, mas não o admite e, consequentemente, suplanta. Por isso, é bom ouvir o próprio corpo para conhecer-se melhor. Existem quatro pontos de partida para esse auto-conhecimento:
·  Nossos pensamentos e sentimentos;
·  Nossos sonhos;
·  Nosso corpo como expressão da alma;
·  Nosso comportamento, trabalho e história de vida.

A doença é um símbolo através da qual a nossa alma se expressa, por isso quem conhecer a linguagem dos símbolos, se compreenderá certamente melhor.

Toda doença passa uma mensagem importante sobre a nossa verdadeira condição humana e precisamos entender melgor o que essa nova situação nos quer dizer. A doença pode se transformar numa importante fonte de auto-conhecimento e crescimento se nos perguntarmos: O que esses sintomas me querem dizer?

Dizem que as causas mais comuns das doenças são as inibições da agressão, do desejo e da necessidade. Você já percebeu como a doença de um membro da família mexe com todos e acaba mostrando o estado emocional da mesma? Queremos realmente a cura da pessoa ou que ela deixe de nos incomodar? O que aprendo com essa doença? A doença não é, certamente, consequência de uma culpa moral ou psicológica. Jesus disse sobre o cego de nascença: nem ele pecou nem seus pais, mas foi para que se manifestem nele as obras de Deus (Jo 9, 3). Toda doença aponta para a limitação e fragilidade humanas e nessas circunstâncias enquanto uns dependem outros são convidados a praticar a caridade. Toda doença é um mistério e faz parte da vida! Oxalá um dia possamos ouvir do próprio Senhor: Eu estive doente e me visitastes! 

Há feridas (físicas, morais, emocionais...) que ficam abertas continuamente. O que fazer? Cair na inconsolável lamentação ou encontrar um significado misterioso, místico e magnífico de experimentar a presença de Deus. Conhecemos pessoas doentes e significativas e outras saudáveis e totalmente frustradas! A gratuidade do gesto fraterno nos torna humanos e maravilhosos! Por isso, dependendo de nossa atitude interior, a doença pode se tornar em fonte de bênção ou de maldição! (cf. A. Grün, A saúde como tarefa espiritual, Vozes/2008). 

A doença é tempo de graça preciosa para exercitar a paciência, a humildade e o amor. Muitas pessoas mudaram para melhor após passar por uma convalescência prolongada e penosa. Certamente, estas pessoas reavaliaram a própria vida e descobriram a misericórdia de Deus e a bondade das pessoas que dela trataram. Mesmo que as tragédias da vida nos deixem acabrunhados, não devemos temer. A falta de fé e amor é muito pior do que a doença que experimentamos! Minha cirurgia cardíaca me fez certamente mais humano e, espero, que também seja melhor cristão!  

Uma pergunta: Como você reage diante das suas doenças e das doenças dos outros?

2 comentários:

  1. Ei amigo,
    Paz! Seu texto me ajuda a compreender-me melhor em minhas limitações. Esta excelente. Obrigado. Deus e bom,
    Fernando

    ResponderExcluir
  2. Olá, pe. Ramón.

    Muito bom o seu texto, concordo com seu ponto de vista. O nosso corpo 'fala', precisamos prestar atenção nele.
    Trabalho em hospital há muito tempo e em quantas vezes constatei que a enfermidade ajudou a resolver questões de relacionamento familiar, realinhar a própria vida, identificar o que realmente tem valor na vida... mas pra quem se abre à graça. E falando em graça, quantos irmãos que se colocam ao lado de quem sofre! Bendito seja Deus por essas pessoas! Aqui no HC temos um grupo lindo de voluntários visitadores.
    Um grande abraço.
    Célia

    ResponderExcluir