Como um pai...

Há gestos tão singelos que parecem até inventados...
O Papa Francisco recebeu no dia 19/ABR, o presidente socialista da República do Equador Rafael Correa, com um abraço cordial, mas nada protocolar. Os fanáticos das normas e tradições vaticanas devem estar estarrecidos. 

Como um pai carinhoso acolhe seus filhos e não como um mandatário recebe a um desconhecido assim fez este novo Papa... Francisco e Rafael são do mesmo continente e têm a mesma fé e tradição religiosa e, evidentemente, pertencem à mesma humanidade!

Lembrei daquela frase de santo Inácio de Loyola nos Exercícios Espirituais: O amor consiste mais em obras do que em palavras... 

Os gestos se vêem e todos entendem!

E você, o que achou desse gesto do Papa Francisco?

7 comentários:

  1. Pe. Ramon.
    Eu me considero uma pessoa que tem grande apreço pelas ricamente simbólicas tradições, não vaticanas, porque elas são de todas a Igreja e muitos se santificaram por meio delas, ao longo de dois mil anos. O senhor sabe perfeitamente que, juntamente com a Sagrada Escritura, a Sagrada Tradição constituem regra suprema de fé. O que fugir disso é doutrina protestante do Sola Scriptura. Contudo, não pense que rasguei minhas vestes ao ver o Santo Padre tomar uma atitude tão paternal com o dirigente socialista do Equador. Muito pelo contrário. Se me permite a franqueza acho, contudo, que chamar aqueles que, como eu, tem grande apreço pela beleza liturgica e que entendem que a Igreja não começou em 1962, de "fanáticos pelas tradições vaticanas" é um comentário que não está à sua altura, nem da formação intelectual que recebeu. Respeitosamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Amigo!

      Entendo que você tem grande apreço pelas ricamente simbólicas tradições, mas é sempre bom lembrarmos que muita coisa que a humanidade fez e algumas que ainda faz e que perduraram por milênios, não significaram ou significam que sejam coisas boas, depois é bom lembrar que na época de Jesus os doutores da lei que tinham um grande apreço pelas suas "ricas tradições simbólicas" acusaram Jesus de profano, pois o mesmo achava mais rico curar um doente no sábado do que meramente respeitar as tradições, ou lavar os pés dos seus discípulos (deixando seu próprio discípulo Pedro espantado a ponto de dizer a Jesus "não lavarás meus pés"). Deus não segue tradições, por isso os filhos de Deus são tão plurais nelas, somos nós quem as criamos e MUDAMOS.

      Um Abraço!

      Excluir
    2. Recomendo a você, meu amigo anônimo, fraternalmente, uma leitura despretensiosa, mas atenta, do catecismo da Igreja. Mais importante do que aquilo que eu ou você pensamos, vale infinitamente mais o que a Igreja SEMPRE ensinou.
      Um abraço.

      Excluir
  2. Ei amigo,
    paz!
    fico imaginando Jesus andando pelas naves do Vaticano, ou de qualquer outra basílica papal. Aliás, com as vestes que usava bem provavelmente nem conseguiria ter acesso.
    Que bom que temos um papa mais humano.
    Que seus gestos jamais fiquem frios e protocolares. Que suas vestes se mantenham sóbrias e simples. Que seus sapatos nunca se envermelhem... mas fiquem gastos e sujos de nossas vielas. Esses são gestos de profeta.
    abraços,
    Fernando.

    ResponderExcluir
  3. O Papa Francisco procura, de fato, seguir os passos de Jesus.

    ResponderExcluir
  4. Por aqui tem cada comentário, que só comprova o motivo dos "avisos" que você coloca para que não nos escandalizemos, Ramón. Via de regra são anônimos...

    Abraço fraterno.

    ResponderExcluir
  5. O primeiro comentário, anônimo, lembra-me muito os "Fratres in Unum"... Que Deus abençoe a todos os Seus filhos.
    Faltam-me as palavras (coisa rara) para descrever a alegria, a esperança que invadem a gente a cada um desses gestos do Papa Francisco. Ele se transfigura, luminoso aos nossos olhos, no "doce Cristo na terra"! Louvado seja Deus, porque Ele é bom. Louvado seja Deus, porque está no meio de nós. Louvado seja Deus, porque a caminhada se enche de significado. "Enquanto isso, o ar vai se enchendo de um doce perfume de promessa." (Tagore)

    ResponderExcluir