História verídica: Tommy...

Ele só tinha receio de amanhecer normal...
Um dia, estava eu de pé na porta da sala, esperando meus alunos entrarem para o nosso 1º dia de aula. Foi aí que vi Tom, pela primeira vez. Não consegui evitar que meus olhos piscassem de espanto. Ele tinha cabelos longos e muito louros que batiam uns 20 cm abaixo dos ombros. Eu nunca vira um rapaz com cabelos tão longos.

Acho que a moda estava apenas começando nessa época. O que importa não é o que está fora, mas o que vai por dentro da cabeça, pensei, mas confesso que fiquei chocado. Logo classifiquei Tom com um ‘E’ de ‘estranho’, muito estranho! E ele acabou se revelando como o ‘ateu da turma’ no meu curso de Teologia. Constantemente fazia objeções e questionava a possibilidade de existir um Deus-Pai que nos amasse incondicionalmente. Convivemos em relativa paz durante o semestre, embora admito que às vezes ele era bastante incômodo.

No fim do curso, ele se aproximou e me perguntou, num tom ligeiramente irônico:
- O senhor acredita mesmo que eu possa encontrar Deus algum dia?

Resolvi usar uma terapia de choque: 
- Não, eu não acredito! - respondi. 
- Ah! ele respondeu, pensei que era este o produto que o senhor esteve tentando nos vender nos últimos meses.
Eu deixei que ele se afastasse um pouco e disse bem alto: 
- Eu não acredito que você consiga encontrar Deus, mas tenho certeza absoluta de que Ele o encontrará um dia.

Ele deu de ombros e foi embora da minha sala e da minha vida. Algum tempo depois soube que Tommy tinha se formado e, em seguida, recebi uma notícia triste: ele estava com um câncer terminal. E antes que eu fosse à sua procura, ele veio me ver. Quando entrou na minha sala, percebi que o seu corpo tinha sido devastado pela doença e que os cabelos longos não existiam mais, devido à quimioterapia. Entretanto, seus olhos estavam brilhantes e sua voz era firme, bem diferente daquele garoto que conheci. 

- Tommy, tenho pensado em você. Soube que você está doente! - falei. 
- Ah, é verdade, estou seriamente doente. Tenho câncer nos pulmões. É uma questão de semanas...
- Você quer conversar a esse respeito?
- Claro, o que o senhor gostaria de saber?
- Como é ter vinte e quatro anos e saber que se está morrendo? 
- Acho que poderia ser pior.
- Como assim? 
- Bem, eu poderia ter cinqüenta anos e não ter noção de valores ou ideais, ou ter sessenta anos e pensar que bebida, mulheres e dinheiro são as coisas mais ‘importantes’ da vida...

Lembrei- me da classificação que atribuí a ele: ‘E’ de ‘estranho’. Penso que quem recebeu classificações desse tipo, são enviadas de volta por Deus, para que eu possa refazer o meu preconceito... 

Mas a razão pela qual eu realmente vim vê-lo, disse Tom, foi a frase que o senhor me disse no último dia de aula. (Ele se lembrava!...) Tom continuou: Eu lhe perguntei se o senhor acreditava que eu encontraria Deus algum dia e o senhor respondeu 'Não!', o que me surpreendeu. Em seguida, o senhor disse, ‘mas Ele o encontrará. Eu pensei um bocado a respeito daquela frase, embora na época não estivesse muito interessado no assunto. Mas quando os médicos removeram um nódulo da minha virilha e me disseram que se tratava de um tumor maligno, comecei a pensar com mais seriedade sobre a idéia de procurar Deus. E quando a doença se espalhou por outros órgãos, comecei realmente a dar murros desesperados nas portas de bronze do paraíso. Mas Deus não apareceu. De fato, nada aconteceu. O senhor já tentou fazer alguma coisa por um longo período, sem sucesso? Eu fiquei cansado e desanimado.

Um dia, ao invés de continuar atirando apelos por cima do muro alto atrás de onde Deus poderia estar ou não, eu desisti, simplesmente. Decidi que de fato não estava me importando com Deus, com uma possível vida eterna ou qualquer coisa parecida. E decidi utilizar o tempo que me restava fazendo alguma coisa mais proveitosa. Pensei no senhor e nas suas aulas e me lembrei de uma coisa que o senhor havia dito noutra ocasião: A tristeza mais profunda é passar pela vida sem amar ou sem jamais ter dito às pessoas queridas o quanto você as amou. 

Então resolvi começar pela pessoa mais difícil: meu pai. Ele estava lendo o jornal quando me aproximei dele:
- Papai... eu disse.
- Sim, o que é? perguntou, sem baixar o jornal
- Papai, eu gostaria de conversar com você.
- Então fale.
- É um assunto muito importante!
O jornal desceu alguns centímetros, vagarosamente. 
- O que é? 
- Papai, eu o amo muito. Só queria que você soubesse disso.

O jornal escorregou para o chão e meu pai fez duas coisas que eu jamais havia visto: Ele chorou e me abraçou com força. E conversamos durante toda a noite, embora ele tivesse que ir trabalhar na manhã seguinte. 

Foi tão bom poder me sentar junto do meu pai, conversar, ver suas lágrimas, sentir seu abraço, ouvi-lo dizer que também me amava! Foi uma emoção indescritível! Foi mais fácil com minha mãe e com meu irmão mais novo. Eles choraram também e nós nos abraçamos e falamos coisas realmente boas uns para os outros. Falamos sobre as coisas que tínhamos mantido em segredo por tantos anos, e que era tão bom partilhar. Só lamentei uma coisa: que eu tivesse desperdiçado tanto tempo, me privando de momentos tão especiais.  

Naquela hora eu estava apenas começando a me abrir com as pessoas que amava. Então, um dia, eu olhei, e lá estava ELE. Ele não veio ao meu encontro quando Lhe implorei. Acredito que estava agindo como um domador de animais que, segurando um chicote, diz: ‘Vamos, pule! Eu lhe dou três dias... três semanas...’. Parece que Deus não se deixa impressionar. Ele age a Seu modo e a seu tempo. Mas o que importa é que Ele estava lá. Ele me encontrou... O senhor estava certo. Ele me encontrou mesmo depois de eu ter desistido de procurar por Ele.

- Tommy, eu disse comovido, o que você está dizendo é muito mais importante do que você pode imaginar. Para mim, pelo menos, você está dizendo que a maneira certa de encontrar Deus, não é fazendo dEle um bem pessoal, uma solução para os nossos problemas ou um consolo em tempos difíceis, mas sim se tornando disponível para o verdadeiro Amor. O apóstolo João disse isto: ‘Deus é Amor e aquele que vive no Amor, vive com Deus e Deus vive com Ele’. Posso lhe pedir um favor? Você sabe que me deu bastante trabalho quando foi meu aluno (risos). Mas agora você pode me compensar por aquilo. Você viria à minha aula de Teologia e contaria aos meus alunos o que você acabou de me contar? Se eu lhes contasse não seria a mesma coisa, não tocaria tão fundo neles!

- Oooh!... eu me preparei para vir vê-lo, mas não sei se estou preparado para enfrentar seus alunos.
- Então, pense nisto. Se você se sentir preparado, telefone par a mim.

Alguns dias mais tarde, Tom telefonou e disse que falaria com a minha turma. Ele queria fazer aquilo por Deus e por mim. Então marcamos uma data... O dia chegou, mas ele não pôde vir. Tom tinha outro encontro, muito mais importante do que aquele. E ele se foi... Antes de morrer, ainda conversamos uma vez: 
- Não vou ter condições de falar com sua turma, ele disse. 
- Eu sei, Tom.
- O senhor falaria com eles por mim? O senhor falaria... com todo mundo por mim?
- Vou falar, Tom. Vou falar com todo mundo. Vou fazer o melhor que puder. 

Portanto, a todos vocês que leram esta declaração de amor tão sincera, obrigado por fazê-lo. E a você Tommy, onde quer que esteja, pode crer: eu falei de você com todo mundo, do melhor modo que consegui. E espero que as pessoas que tiveram conhecimento desta história, possam contá-la aos seus amigos, para que mais gente possa conhecê-la... (Cf. Pe. J. Powell sj, Loyola University de Chicago/USA) 

O que você achou desta história real?

10 comentários:

  1. Vale muito a pena perder alguns preciosos minutos do nosso dia para fazer essa leitura... Façam...

    ResponderExcluir
  2. Vale a pena perder alguns minutos e fazer esta leitura...

    ResponderExcluir
  3. Me emocionei com o relato... muito bom!

    ResponderExcluir
  4. Lindo e inspirador relato. Obrigado por compartilhá-lho, Ramón.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comovente esse encontro com Deus...vou compartilhar!!!

      Excluir
  5. Linda e emocionante!

    ResponderExcluir
  6. "A tristeza mais profunda é passar pela vida sem amar ou sem jamais ter dito às pessoas queridas o quanto você as amou. "

    me fez lembrar de muita coisa essa historia... Lembrei de quando terminei o ensino fundamental e estava em um curso preparatório e o professor de redação pediu como exercicio uma redação, poderia ser sobre qualquer tema e estilo. Escrevi sobre o falecimento de alguem, como se alguem estivesse morrendo e se despedindo por uma carta, contando como se tivesse outra chance faria diferente. Nunca fui bom com as palavras, mas naquele dia, pela primeira vez, o professor leu minha redação para turma.
    Três anos depois eu mesmo passei por uma cirurgia muito complicada e quase morri. Depois de 1 mes no hospital e mais 2 em casa retomei a vida e a primeira coisa que fiz quando pude andar sozinho foi procurar algumas pessoas para me desculpar e falar o quanto elas eram importantes para mim. Logico que estava emocionalmente abalado e fui movido por isso, mas isso me transformou de tal forma que entendo muito bem o que esse personagem ou não, Tom passou! A vida muda, os objetivos mudam, os valores...
    Obrigado Senhor pela oportunidade de recomeçar! Ilumine a todos os seus filhos vivos ou não.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caríssimo(a), com certeza seu depoimento, mais do que a história, me fez avaliar profundamente minha vida...

      Excluir
  7. Chorei com a historia de Tom...Deus é AMOR e se manifesta nas mais diversas maneiras...Porque razão eu vim até aqui ler estes testemunhos?? será que não estou indo bem na minha vida?? será que tenho de dar mais amor a quem me rodeia?? será que tenho de mudar o meu comportamento com os outros?? Porque quis Deus que hoje eu viesse até aqui?? Emocionei-me muito com tudo o que li, estarei alerta para esperar o que Deus quer de mim...Obrigada Senhor por esta oportunidade..

    ResponderExcluir