Nosso caminhar humano...

A evolução parece ser a teoria mais sensata para explicar a origem do ser humano na terra...

O Papa Francisco afirmou (27/OUT/2014), na Pontifícia Academia de Ciências, que a Teoria da Evolução e o Big Bang são ambos reais e criticou a interpretação das pessoas que leem o Gênesis, achando que Deus "tenha agido como um mago, com uma varinha mágica criando todas as coisas". A criação do mundo não é obra do caos, mas deriva de um princípio supremo que cria por amor.

"O Big Bang (explosão ocorrida há cerca de 13,8 bilhões de anos e que deu origem à expansão do Universo) não contradiz a intervenção criadora, mas a exige", disse o Papa Francisco.

A evolução tem um princípio e um fim e vai do mais simples até o mais complexo. Ninguém fica fora desse processo. Todos, queiramos ou não, caminhamos para o ponto Ômega, aquele ponto final de maior beleza e perfeição. Seria uma insensatez ficar fora dessa caminhada. É verdade que alguns desorientados (sem oriente!) se perdem nesse processo e outros, desnorteados (sem norte!), só conseguem avançar depois de muitos tombos.

Lembremos: No princípio foi a matéria e depois a vida brotando dela. Esse salto qualitativo demorou milhões de anos a ser dado. Mais tarde, misteriosamente, da vida emergiu a consciência, o ser humano com suas visões diferenciadas do mundo, à medida que ele evoluía. Primeiro foram os caçadores e recolhedoras de frutos; eles tinham uma consciência arcaica e primitiva. Isso aconteceu 1 milhão de anos atrás, e ficaram quase 500.000 anos nessa etapa. Depois, surgiram os hortícolas (trabalhavam a terra com um pau ou uma enxada de pedra). Estes tinham um grau melhor de consciência e liberdade, embora ainda fosse mágica e primitiva. Com o passar dos séculos surgiu o homem agrário usando o arado e até animais grandes domesticados. Estes tinham uma consciência mítica. Este passar da enxada para o arado foi um passo gigantesco da humanidade e isto aconteceu apenas 6.000 anos atrás. Por fim, chegamos ao ser humano industrial, com uma consciência diferentee mais evoluída, a racional. Por fim, nos nossos dias, surge o ser informático com uma consciência existencial muito maior e complexa. O que virá depois? Eu imagino que seja a o homem místico com sua visão contemplativa e holística...

A pós-modernidade rejeitou os paradigmas de consciência mais antigos e obsoletos e começa a se apoiar no novo que controlamos. Não é que as visões anteriores fossem erradas, mas eram incompletas e as novas parecem melhores e mais inclusivas. Em todo esse processo evolutivo algo fica claro: o “ser humano” pensa, sente e observa seu processo evolutivo de modo diferente. Não é o mundo que nos configura; somos nós que o configuramos e lhe damos significado.

Nesse processo de conscientização valorizamos a liberdade, como um dos valores máximos do ser humano. Mas, sabemos que os nossos condicionamentos internos (DNA) e externos (culturais) são mais fortes do que sentimos e imaginamos. Contudo, queiramos ou não, sempre seremos atraídos “magneticamente” pelo futuro e o ponto final da evolução.

E você, o que acha desse processo?


0 comentários:

Postar um comentário