As janelas da vida... (Autobiografia de S. Inácio de Loyola)

Não há como falar da vida de santo Inácio de Loyola e não rever  nossa. Nele, Deus supera a normalidade. 

A maior consolação que descobrira então era contemplar o céu e as estrelas. Fazia-o muitas vezes e por muito tempo, porque com isto sentia em si um grande esforço para servir a Nosso Senhor (Autob. 11).

Se antes Ínhigo de Loyola via as coisas de um modo apenas carnal, agora parece possuir os olhos do Espírito, pois tudo lhe parece novo e cheio de sentido. Sua recuperação física foi também moral, como acordando de um longo letargo. Suas fantasias negativas deram lugar a outras, bem mais abertas e gratuitas. Sem atropelos, saboreia tudo internamente e de tudo e de todos aprende lições. Sem quase perceber, recupera sua autoestima e se afirma no melhor de si mesmo e nos valores do Evangelho. 

Naquele tempo de repouso obrigado, Ínhigo contemplava o céu e as estrelas muitas vezes e por muito tempo, e experimentava nisso grande paz e consolação. Pela pequena janela do quarto via as castanheiras e os carvalhos, árvores amigas que forneciam lenha, frutos e sombra para todos. Mais além, e do outro lado, contemplava o imponente morro do Izarraitz, com seus 1.028 m de altura, com seu cume pelado e cinzento...

Tudo o convida para ir além de seus devaneios frustrados. Seu horizonte se amplia e até se vê como peregrino na Terra Santa de Jesus... E continua se perguntando: Que fiz? Que faço? O que vou fazer, de agora em diante, por Jesus e pelos outros? E as respostas vinham devagar, como as ondas do mar num dia manso e tranquilo...

Quanta diferença entre aquele homem agressivo e este outro pacificado! As coisas velhas pertencem ao passado; agora surge um homem novo, restaurado e recuperado por pura graça divina.

Uma pergunta: E você, no que pensa e como se define?

0 comentários:

Postar um comentário