Nossa Espiritualidade...

Num mundo globalizado e religiosamente pluralista, encontramos diversas posições mesmo nos seguidores de uma mesma Igreja. Membros de uma mesma denominação religiosa mantêm posturas tão diferentes entre si (fundamentalistas, incoerentes, místicas...) que mal se entendem e, às vezes, descobrem maior afinidade entre os iguais de religiões diferentes do que entre os desiguais da mesma expressão religiosa.

Na Igreja Católica se dão alternada ou simultaneamente espiritualidades que se apresentam historicamente como formas válidas de viver o Evangelho. Algumas são “apofáticas” e buscam Deus no vazio mental e na fuga do mundo, outras são “katafáticas” e encontram Deus em tudo e em todos. Nestas encontramos as de cunho “legalista”, onde a prática do estabelecido (projeção do superego, segundo Freud) equivale a ser fiel a Deus; outras são mais afetivas (expressão do “id” inconsciente) e também diretivas; por fim, aquelas que usam o discernimento das moções da razão e do coração, para viver a fé e o amor em comunhão humana e eclesial.

Para complicar deparamos, no seio da mesma igreja católica, com expressões fortes de religiosidade popular que bem poderia ser identificadas criticamente como cultos pré-cristãos, onde o “devocional e o mágico” se confundem e parecem até preceder à fé.

A Espiritualidade Inaciana, profundamente ecumênica e respeitosa de todas as expressões religiosas, se apresenta nesse calidoscópio como um caminho para Deus, vislumbrando-o na leitura Teográfica da história e da vida das pessoas. Espiritualidade prática e ao mesmo tempo contemplativa, equidistante tanto do pietismo infantil como do ceticismo agnóstico. O equilíbrio entre fé e razão situa a Espiritualidade Inaciana à margem dos extremismos religiosos que reiteradamente despontam nos meios de comunicação social.

Nossa espiritualidade é cristo-cêntrica, eclesial e profundamente respeitosa do ser humano.

Uma pergunta:  Sua espiritualidade valoriza o ser humano?

2 comentários:

  1. Olá mano Ramon,

    Tá realmente difícil encontrar "o fio da meada" espiritual, em meio a essa geleia geral de religiões, seitas e outras que tais. Daí a importância do "discernimento".
    Que bom que tive e tenho você, o Adroaldo e tantos outros amigos e irmãos de Espiritualidade para me ajudar nessa busca.

    Meu carinho,

    ResponderExcluir
  2. Estoy de acuerdo con usted, padre Ramón. Los Ignacianos.son respetuosos con todos los seres humanos, pues Cristo es el centro de todos. (A. P)

    ResponderExcluir