´
O que está acontecendo no país? Empresários e políticos foram pegos com a mão na botija, e roubando mais do que cabiam nos seus bolsos. É uma sede insaciável de ter mais nos que já tem muito. Foi como bando de ratos devorando o que era de todos... Isso é uma vergonha!

A corrupção paira por todos os lados e aparece como um problema político, econômico, social, cultural, e também religioso. O que vemos e escutamos todos os dias nos meios de comunicação social não tem fim: Os ministros A, B, C e D... Os políticos E, F, G, H, I, J... Os empresários presidentes das organizações K, L, M, N, O, P... Todos, como aves de rapina apoderando-se da coisa pública.  Se não acabamos com esse vírus ele acabará liquidando o sistema de sociedade, de convivência e de crenças que temos. Não há futuro com a corrupção!

A queda dos grandes Impérios começou com a corrupção do mesmo sistema. Os designados para ocupar cargos de poder, utilizaram os mesmos não para servir o estado e os cidadãos, mas para locupletar-se egoisticamente às custas do povo. Não governam os mais competentes, mas os mais ladrões!
O decisivo não é castigar os casos de corrupção, mas cortar pela raiz esse comportamento hedonístico. Quando o poder prestigiar o lucro e não os cidadãos, o sistema apodrece
Levamos décadas, talvez até séculos, vendo massas sobrantes sobreviver por pouco tempo. A designação a dedo para cargos públicos, enriquece os próprios e não valoriza o que é todos. Uma sociedade mais igualitária e humana se constrói com competências, e não com favores.

E eu me pergunto: Onde fica a Boa Nova do Evangelho, pois a maioria desses meliantes foram batizados? Sabemos que o Evangelho foi sumamente crítico com o uso do poder e do dinheiro, mas os que governam parecem ensimesmados nas suas fantasias perversas de corrupção pensando que nunca serão pegos.

O que está acontecendo no país é uma vergonha!

E você o que pensa? 


Sínodo significa “fazer juntos o caminho” (syn= juntos; odos=caminho) ou “caminhar juntos”. O Sínodo acontece a partir da convocação do bispo (em uma Diocese) ou do Papa (em âmbito da Igreja toda).

Com tudo, confesso que não estamos acostumados a esta forma compartilhada de ser e viver. Somos muito individualistas em todos os níveis: na cúpula e na base.
A Sinodalidade é a forma mais evangélica de exercer o poder na Igreja. Uma Igreja sinodal não contradiz a unidade, mas faz parte de sua dimensão constitutiva, embora por séculos esquecida. Juntos podemos superar melhor a autorreferencialidade e corrigir o poder absoluto, prepotência internalizada dos senhores feudais.
Esta Colegialidade sinodal foi pedida, 50 anos atrás, no Concílio Vaticano II, mas ainda não implementada por resistências internas em diversas instâncias.
Como envolver mais o povo de Deus, e acelerar esta colegialidade em todos os níveis? Como colocar os leigos, eles e elas, em postos de decisão nos diversos organismos eclesiásticos?
Precisamos descentralizar o poder, como acontece nas Igrejas de Rito Oriental. Passar do “evento” passageiro de alguns para o “processo” participativo de muitos. Os bispos devem estar em comunhão com o Bispo de Roma e também com os seus fieis. Não deveria haver um bispo sem povo.
Toda atividade sinodal tem três momentos fundamentais: Preparação, celebração e ação. No primeiro momento, consulta geral; na fase celebrativa, contar com a presença de peritos, participantes e auditores; na fase da implementação, ter em conta as instâncias intermédias: locais, nacionais e continentais.
Só uma Igreja poliédrica e culturalmente diversa com Jesus como centro, consegue contentar a todos e não excluir ninguém. O Papa Francisco está tentando caminhar nesse sentido, apesar do descontentamento de alguns aferrados a antigas formas de poder.
Precisamos caminhar juntos e viver esta eclesiologia plural, inclusiva e sinodal. Uma Igreja que consulta, reza e vive na diversidade. Povo de Deus, Colégio episcopal, Religiosos, bispo de Roma... Todos em comunhão e com suas idiossincrasias.
Só assim seremos mais fraternos e ecumênicos!


Para ver esta mensagem sobre o batismo do Senhor CLIQUE AQUI



NB. Você pode iniciar os Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola, via EAD na RS21, e começar este caminho interior. 

Entre na próxima turma! 



1. A novidade do pós-concílio. Com a celebração do 50º aniversário da conclusão do Concílio Vaticano II, terminou a primeira fase do "pós-concílio" e abriu-se uma outra. Se a primeira fase foi caracterizada por problemas relacionados à "recepção" do Concílio, esta nova será caracterizada, creio eu, pelo completar e integrar o Concílio; em outras palavras, pela releitura do Concílio à luz dos frutos produzidos por este, destacando também o que nele está ausente, ou presente apenas de forma embrionária.

A maior novidade do pós-concílio, na teologia e na vida da Igreja, tem um nome específico: o Espírito Santo. O Concílio não havia ignorado a sua ação na Igreja, mas havia falado quase sempre "en passant", mencionando-o muitas vezes, mas sem destacar o seu papel central, nem sequer na constituição sobre a Liturgia. Em uma conversa, no tempo em que estávamos juntos na Comissão Teológica Internacional, recordo que o Pe. Yves Congar usou uma imagem forte a este respeito; falou de um Espírito Santo, espalhado aqui e ali nos textos, como se faz com o açúcar nos doces, mas que não se torna parte da composição da massa.

Mas o degelo havia começado. Podemos dizer que a intuição de São João XXIII do Concílio como sendo “um novo Pentecostes para a Igreja” encontrou a sua implementação somente mais tarde, terminado o concílio, como tem acontecido muitas vezes nas histórias dos concílios.

No próximo ano nós comemoramos o 50º aniversário do início, na Igreja Católica, da Renovação Carismática. É um dos muitos sinais – o mais evidente pela vastidão do fenômeno – do despertar do Espírito e dos carismas na Igreja. O Concílio havia preparado o caminho para a sua recepção, falando, na Lumen Gentium, da dimensão carismática da Igreja, juntamente com aquela institucional e hierárquica, e insistindo na importância dos carismas. Na homilia da Missa Crismal da Quinta-feira Santa de 2012, Bento XVI disse:
"Quem olha para a história da época pós-conciliar pode reconhecer a dinâmica da verdadeira renovação, que muitas vezes assumiu formas inesperadas em movimentos cheios de vida e que torna quase palpáveis a vivacidade inesgotável da Santa Igreja, a presença e a ação eficaz do Espírito Santo".

Ao mesmo tempo, a experiência renovada do Espírito Santo tem estimulado a reflexão teológica. Depois do concílio se multiplicaram os tratados sobre o Espírito Santo: dentre os católicos, está o do próprio Congar, de K. Rahner, de H. Mühlen e de von Balthasar[6], dentre os luteranos o de J. Moltmann e M. Welker, e de muitos outros. Da parte do Magistério houve a encíclica de São João Paulo II "Dominum et vivificantem". Por ocasião do XVI centenário do concílio de Constantinopla, do 381, o próprio Sumo Pontífice, em 1982, promoveu um congresso internacional de Pneumatologia no Vaticano, cujas atas foram publicadas pela Livraria Editora Vaticana, em dois grandes volumes intitulados "Credo in Spiritum Sanctum”.

Nos últimos anos estamos observando passos decididos nessa direção. No fim de sua carreira, Karl Barth fez uma declaração provocativa que foi, em parte, também uma autocrítica. Disse que no futuro iria desenvolver uma teologia diferente, a “teologia do terceiro artigo”. Por “terceiro artigo” entendia, naturalmente, o artigo do credo sobre o Espírito Santo. A sugestão não caiu no vazio. Desde que foi lançada a proposta surgiu a atual corrente denominada, precisamente, "Teologia do terceiro artigo".

Não acredito que tal corrente queira tomar o lugar da teologia tradicional (seria um erro se pretendesse), mas sim estar do lado e reaviva-la. Ela se propõe a fazer do Espírito Santo não somente o objeto do tratado que lhe diz respeito, a Pneumatologia, mas por assim dizer a atmosfera na qual se desenvolve toda a vida da Igreja e toda pesquisa teológica, "a luz dos dogmas", como um antigo Padre da Igreja definia o Espírito Santo.

O tratado mais completo desta recente corrente teológica é o volume de ensaios surgido em Inglês no último mês de setembro, com o título "Teologia do terceiro artigo. Para uma dogmática pneumatológica”.  Nesse, partindo da doutrina trinitária da grande tradição, teólogos de várias Igrejas cristãs oferecem a sua contribuição, como premissa de uma teologia sistemática mais aberta ao Espírito e mais adequada às exigências atuais. Inclusive foi-me pedido, como católico, uma contribuição com um ensaio sobre “Cristologia e pneumatologia nos primeiros séculos da Igreja”.

2. O credo lido de baixo. As razões que justificam esta nova orientação teológica não são apenas de ordem dogmáticas, mas também históricas. Em outras palavras, compreende-se melhor o que é e o que se propõe a teologia do terceiro artigo, se se leva em conta como se formou o atual símbolo Niceno-Constantinopolitano. A partir desta história pode-se ver com maior clareza a utilidade de ler uma vez tal símbolo “de trás para frente”, ou seja, começando do final, em vez do início.

Vou tentar explicar o que quero dizer. O símbolo Niceno-Constantinopolitano reflete a fé cristã na sua fase final, depois de todos os esclarecimentos e as definições conciliares, concluídas no V século. Reflete a ordem alcançada ao final do processo de formulação do dogma, mas não reflete o próprio processo. Não corresponde, em outras palavras, ao processo pelo qual, de fato, a fé da Igreja historicamente foi formada, e nem sequer corresponde ao processo pelo qual se chega à fé hoje, compreendida como fé viva em um Deus vivo.

No credo atual, parte-se de Deus Pai e criador, dele passa-se ao Filho e à sua obra redentora, e, por fim, ao Espírito Santo atuante na Igreja. Na verdade, a fé seguiu o caminho oposto. Foi a experiência Pentecostal do Espírito que levou a Igreja a descobrir quem era realmente Jesus e qual havia sido o seu ensinamento. Com Paulo e especialmente com João, se chega a subir de novo de Jesus ao Pai. É o Paráclito que, como prometido por Jesus (João 16, 13), conduz os discípulos à "verdade plena" sobre ele e o Pai.

São Basílio de Cesareia resumiu nestes termos o desdobramento da revelação e da história da salvação:
"O caminho do conhecimento de Deus procede do único Espírito, através do único Filho, até o único Pai; inversamente, a bondade natural, a santificação secondo natura, a dignidade real, se difundem pelo Pai, por meio do Unigênito, até o Espírito”.

Em outras palavras, na ordem da criação e do ser, tudo parte do Pai, passa pelo Filho e chega a nós no Espírito; na ordem da redenção e do conhecimento, tudo começa com o Espírito Santo, passa pelo Filho Jesus Cristo e retorna ao Pai. Podemos dizer que São Basílio é o verdadeiro iniciador da teologia do terceiro artigo! Na tradição ocidental tudo isso é expresso de forma sucinta na última estrofe do hino Veni Creator. Dirigindo-se ao Espírito Santo, a Igreja reza dizendo:
Per te sciamus da Patrem,
noscamus atque Filium,
te utriusque Spiritum
credamus omni tempore.

Faça que por meio de ti conheçamos o Pai,
que conheçamos ao mesmo tempo o Filho
e em ti que es o Espírito de ambos
creiamos firmemente hoje e sempre.

Isso de forma alguma significa que o Credo da Igreja não seja perfeito ou que deva ser reformado. Ele só pode ser assim do jeito que é. É a maneira de lê-lo que, por vezes, é útil mudar, para refazer o caminho com o qual se formou. Entre as duas formas de utilizar o credo – como um produto realizado, ou no seu próprio fazer-se –, existe a mesma diferença de fazer pessoalmente, no início da manhã, a escalada do Monte Sinai partindo do mosteiro de Santa Catarina, ou ler a narração de alguém que fez a escalada antes de nós.

3. Um comentário ao “terceiro artigo”. Com isto em mente, nas três meditações de Advento, gostaria de propor reflexões sobre alguns aspectos da ação do Espírito Santo, partindo precisamente do terceiro artigo do credo que lhe diz respeito. Este compreende três grandes afirmações. Vamos começar com a primeira:

a. “Creio no Espírito Santo, Senhor que dá a vida”. O credo não diz que o Espírito Santo é "o" Senhor (acima, no credo, se proclama, "e creio em um só Senhor Jesus Cristo"!). Senhor (no texto original, to kyrion, neutro!) indica aqui a natureza, não a pessoa; diz o que é, não quem é o Espírito Santo. "Senhor" significa que o Espírito Santo compartilha o Senhorio de Deus, que está do lado do Criador, e não das criaturas; em outras palavras, que é de natureza divina.

A Igreja chegou a esta certeza baseando-se não somente na Escritura, mas também na própria experiência de salvação. O Espírito, já escrevia Santo Atanásio, não pode ser uma criatura, porque quando somos tocados por ele (nos sacramentos, na Palavra, na oração) fazemos a experiência de entrar em contato com Deus em pessoa, e não com o seu intermediário.

b) Se nos diviniza, isso significa que ele próprio é Deus.
Não se poderia, no símbolo de fé, dizer a mesma coisa de forma mais explícita, definindo o Espírito Santo puramente e simplesmente “Deus e consubstancial ao Pai", como havia sido feito para o Filho? Certamente, e foi precisamente essa a crítica movida rapidamente por alguns bispos, dentre os quais São Gregório de Nazianzo, à definição. Por razões de conveniência e de paz, eles preferiram dizer a mesma coisa com expressões equivalentes, atribuindo ao Espírito, além do título de Senhor, também a isotimia, ou seja, a igualdade com o Pai e o Filho na adoração e na glorificação da Igreja.

A expressão segundo a qual o Espírito Santo "dá a vida" é tomada de várias passagens do Novo Testamento: "É o Espírito que dá a vida" (Jo 6, 63); "A lei do Espírito dá a vida em Cristo Jesus" (Rm 8, 2); "O último Adão tornou-se espírito que dá a vida" (1 Cor 15, 45); "A letra mata, o Espírito dá a vida" (2 Cor 3, 6).

Temos três perguntas. Em primeiro lugar, que vida dá o Espírito Santo? Resposta: dá a vida divina, a vida de Cristo. Uma vida super-natural, não uma super-vida natural; cria o homem novo, não o super-homem de Nietzsche "inchado de vida”. Em segundo lugar, onde nos dá uma vida assim? Resposta: no batismo, que é apresentado, de fato, como um “renascer do Espírito” (Jo 3, 5), nos sacramentos, na palavra de Deus, na oração, na fé, no sofrimento aceite em união com Cristo. Em terceiro lugar, como o Espírito nos dá a vida? Resposta: fazendo morrer as obras da carne! "Se pelo Espírito fizerdes morrer as obras do corpo, vivereis", diz São Paulo em Romanos 8, 13. “... e procede do Pai (e do Filho) e com o Pai e o Filho é adorado e glorificado

Passemos agora à segunda grande afirmação do credo sobre o Espírito Santo. Até agora, o símbolo de fé nos falou da natureza do Espírito, não ainda da pessoa; nos disse o que é, não quem é o Espírito; falou-nos sobre o que é comum ao Espírito Santo, ao Pai e ao Filho – o fato de ser Deus e de dar a vida. Com a presente afirmação se passa ao que distingue o Espírito Santo do Pai e do Filho. O que o distingue do Pai é que procede dele (um é aquele que procede, outro de quem procede!); o que o diferencia do Filho é que procede do Pai e não por geração, mas por inspiração; para expressar-nos em termos simbólicos, não como o conceito (logos) que procede da mente, mas como o sopro que procede da boca.
É o elemento central do artigo do credo, aquele com o qual se pretendia definir o lugar que ocupa o Paráclito na Trindade. Esta parte do símbolo é conhecida especialmente pelo problema do Filioque, que foi por um milênio o objeto principal de desacordo entre o Oriente e o Ocidente. Não vou me debruçar sobre este problema já muito discutido, até porque eu mesmo já falei aqui, tratando sobre o acordo de fé entre Oriente e Ocidente na Quaresma do ano passado.

Vou apenas destacar o que podemos reter desta parte do símbolo e que enriquece a nossa fé comum, além das disputas teológicas. Isso nos diz que o Espírito Santo não é um parente pobre na Trindade. Não é um simples "modo de agir" de Deus, uma energia ou um fluido que permeia o universo como pensavam os estóicos; é uma "relação subsistente", portanto, uma pessoa.

Não tanto a "terceira pessoa do singular", mas sim "a primeira pessoa do plural". O "Nós" do Pai e do Filho[13]. Quando, para expressar-nos de modo humano, o Pai e o Filho falam do Espírito Santo, não dizem “eles”, mas dizem “nós”, porque ele é a unidade do Pai e do Filho. Aqui se vê a fecundidade extraordinária da intuição de Santo Agostinho para o qual o Pai é aquele que ama, o Filho o amado e o Espírito o amor que os une, o dom mútuo. Sobre isso está baseada a crença da Igreja ocidental, segundo a qual o Espírito Santo procede “do Pai e do Filho”.

O Espírito Santo, apesar de tudo, será sempre o Deus escondido, mesmo se conhecemos os efeitos. Ele é como o vento: ninguém sabe de onde vem e para onde vai, mas vemos os efeitos da sua passagem. É como a luz que ilumina tudo o que está à frente, ficando ela própria escondida.

Por isso é a pessoa menos conhecido e amada das Três, apesar de ser o Amor em pessoa. Nos é mais fácil pensar no Pai e no Filho como “pessoas”, mas é mais difícil para nós o Espírito. Não existem categorias humanas que podem ajudar-nos a compreender este mistério. Para falar de Deus Pai nos ajudamos da filosofia que trata da causa primeira (o Deus dos filósofos); para falar do Filho temos a analogia da relação humana pai-filho e temos também a história, já que o Verbo se fez carne. Para falar do Espírito Santo só temos a revelação e a experiência. A própria Escritura fala dele servindo-se quase sempre de símbolos naturais: a luz, o fogo, o vento, a água, o perfume, a pomba.

Compreenderemos totalmente quem é o Espírito Santo só no paraíso. Na verdade, o viveremos em uma vida que não terá fim, em um aprofundamento que nos dará alegria imensa. Será como um incêndio muito doce que inundará a nossa alma e a encherá de bem-aventuranças, como quando o amor invade o coração de uma pessoa e esta se sente feliz.

c. "... e falou pelos profetas". Estamos na terceira e última grande afirmação sobre o Espírito Santo. Depois de professar a nossa fé na ação vivificante e santificadora do Espírito na primeira parte do artigo (o Espírito que é o Senhor e dá a vida), agora se menciona também a sua ação carismática. Dessa se nomeia um carisma por todos, aquele que Paulo disse ser o primeiro por importância, ou seja, a profecia (cf. 1 Cor 14).

Até do carisma profético se menciona somente um momento: o Espírito que “falou por meio dos profetas”, ou seja, no Antigo Testamento. A afirmação é baseada em vários textos da Escritura, mas, em particular, em 2 Pedro 1, 21: "Movidos pelo Espírito Santo, falaram alguns homens da parte de Deus."

4. Um artigo a ser completado. A Carta aos Hebreus diz que "depois de falar um tempo por meio dos profetas, nos últimos tempos, Deus falou a nós no Filho" (cf. Hb 1,1-2). O Espírito não parou, então, de falar por meio dos profetas; o fez com Jesus e o faz ainda hoje na Igreja. Esta e outras lacunas do símbolo foram preenchidas gradualmente na prática da Igreja, sem necessidade, para isso, de mudar o texto do credo (como aconteceu, infelizmente, no mundo latino, com a adição do Filioque). Vemos um exemplo na epiclese da liturgia ortodoxa rezada por São Tiago, que diz assim:
"Envia... o teu santíssimo Espírito, Senhor e vivificador, que senta contigo, Deus e Pai, e com o teu Filho unigênito; que reina consubstancial e co-eterno. Ele falou na Lei, nos Profetas e no Novo Testamento; desceu em forma de pomba em nosso Senhor Jesus Cristo no rio Jordão, repousando sobre ele, e desceu sobre os santos apóstolos... no dia do Santo Pentecostes".

Ficaria decepcionado quem quisesse encontrar no artigo sobre o Espírito Santo tudo, ou talvez só o melhor, da revelação bíblica sobre ele. Isso mostra a natureza e o limite de cada definição dogmática. O seu objetivo não é dizer tudo sobre um dado de fé, mas traçar um perímetro dentro do qual deve-se colocar cada afirmação sobre tal dado e que nenhuma afirmação pode contradizê-lo. A isso deve-se acrescentar, no nosso caso, o fato de que o artigo foi elaborado em um momento no qual a reflexão sobre o Paráclito estava apenas no começo e razões históricas contingentes (o desejo de paz do imperador) impunham, como mencionei acima, um acordo entre as partes.

Contudo, nós não fomos abandonados somente com as palavras do credo sobre o Paráclito. A teologia, a liturgia e a piedade cristã, tanto no Oriente como no Ocidente, cobriram de “carne e sangue” as parcas afirmações do símbolo de fé.

Na sequência de Pentecostes, a relação íntima e pessoal com o Espírito Santo com cada palavra (uma dimensão completamente ausente no símbolo), é expressa por títulos como Pai dos pobres, luz dos corações, doce hóspede da alma e dulcíssimo alívio. A mesma sequência dirige ao Espírito Santo uma série de orações que são especialmente belas e respondem às nossas necessidades. Concluimos, proclamando-as juntos, talvez tentando encontrar entre elas aquela que sentimos mais necessária para nós:
Lava quod est sórdidum,

riga quod est áridum,
sana quod est sáucium.
Flecte quod est rígidum,
fove quod est frígidum,
rege quod est dévium.

Lava o que está impuro,
molha o que está seco,
cura o que sangra.
Dobra o que está rígido,
aquece o que está frio,
endireita o que está torto.


Toda árvore que não der bom fruto será cortada... (Mt 3,10)

As leituras do domingo passado nos falavam de velar, de vigiar, e de estar desperto. Hoje falam daqueles que vivem enraizados e tem essa atitude de sentinelas: os profetas. Estes descobrem no horizonte da existência a presença de sinais de vida ou de morte. Assim se convertem em mensageiros de uma Boa Nova.

Neste 2º Domingo de Advento, os profetas Isaías e João tem a palavra. A palavra do profeta nos move a mudar e melhorar.

O profeta é uma pessoa enraizada e, por isso, de discernimento; ele sempre busca algo novo, e isso ele encontra na sua interioridade.

O profeta é a figura chave neste tempo de Advento. Não é um adivinhador do futuro nem vive separado dos outros. O profeta está sempre com os olhos bem abertos, e ao mesmo tempo enraizado no seu povo.

O Advento revela que somos seres enraizados e de horizontes grandes; profundos e ao mesmo tempo universais... Desafio? Manter o enraizamento e o horizonte, o engajamento e a transcendência. Transcender é mergulhar com fé na própria condição humana, é humanizar-se.Humus” = terra = humano.

Somos convidados, pois, a experimentar no mais profundo de nosso ser as raízes com a seiva da vida, que nos sustentam e dão sentido. Da nossa interioridade “há-de-vir” (advento!) as possibilidades que farão nossas vidas mais abertas e oblativas.

Dentro de todos nós há um desejo, uma força, uma energia que nos impulsiona a viver, e buscar sempre o melhor. Isso tem a ver com a verdade e a liberdade, a bondade e o amor. 

Desse modo, crescemos como pessoas: fisicamente saudáveis, mentalmente lúcidos, e afetivamente coerentes. Se não vivermos assim, nossa “humanidade” (“húmus”) ficará atrofiada. 

Precisamos, pois, viver mais na profundidade e na solidariedade; ecologicamente mergulhados e equilibrados.

Advento é tempo de chegar às nossas raízes. O “húmus” da nossa terra nos “humaniza” e cristianiza. “Descendo”, como Jesus, viveremos melhor nossa existência, como irmãos e irmãs de todos. 

O Advento nos faz lançar raízes no mais profundo de nossa condição humana e viver as grandes motivações adormecidas. Das nossas raízes brotam os desejos e os sonhos mais criativos e duradouros. A pessoa superficial não é “enraizada”.

A experiência cristã implica, pois, “mergulhar os pés na terra”, enraizar-nos e comprometer-nos com a realidade que nos afeta.

Um “chão” é sempre mais que um simples chão. Cada chão revela lembranças, referências, medos, saudades; guarda histórias, presenças e memórias. 

Sonhar alto, pensar grande, aventurar-se, ousar ir além, derrubar nossos medos e modos arcaicos de ser e proceder.

“Chão humano e humanizante” porque carregado da presença divina. Cada pessoa é um chão da eterna presença de Deus.

E eu pergunto: Onde nossos pés estão plantados? Como isso afeta o coração?

TEXTO PARA REZAR:  Mt 3, 1-12 ( Naqueles dias apresentou-se João, o Batista, proclamando no deserto da Judéia: Convertei-vos, porque o Reino de Deus está perto...)


O homem se transfigura pelo amor...
[Estampa religiosa de San Francisco Javier]
Francisco Xavier nasceu na Espanha; caçula de cinco irmãos, tem uma infância feliz até que a família se envolveu numa guerra e ficaram à beira da ruína. As brigas sempre nos empobrecem!

Cedo Xavier entrou no Seminário de Pamplona e logo viajou a Paris, a fim de se formar na melhor universidade da época: a Sorbonne. Tinha, então, 19 anos e era um ótimo esportista!

Na pensão onde se hospedou, Colégio Sta. Bárbara, compartilhará o seu quarto com Pedro Fabro e com outro estudante, mais velho e atrasado nos estudos, mas experto na experiência de Deus: Inácio de Loyola. A palavra e o exemplo de Inácio conquistarão, aos poucos o seu coração. Xavier faz, então, os Exercícios Espirituais de 30 dias sob a orientação de Inácio, e decide como experiência de amor, se colocar no seguimento de Jesus. Em 1534, faz junto com outros seis universitários, os votos de pobreza e castidade, em Montmartre, e fundam assim o que será com o tempo a Companhia de Jesus.

Passados os ano, já em Roma, Inácio chama Xavier:
- Mestre Francisco, sabeis que o Papa quer enviar dois de nós à Índia. Escolhemos Simão Rodrigues e Nicolau Bobadilla para essa missão, mas este ficou doente. Então, esta é a sua missão! E na hora Xavier responde: Estou pronto!

Na viagem para a Índia, perigosa e demorada, Xavier passou primeiro por Portugal e, depois de muitos contratempos, chegou a Goa, na Índia. Logo se coloca a serviço dos doentes e inicia a evangelização do povo hindu, pregando pela palavra e exemplo de vida, a Boa Nova de Jesus. 

Mais tarde, viajou à Malásia, Ilhas Molucas/Indonesia e até chegou ao Japão, terra então desconhecida. Em todos os lugares deixa pequenas comunidades de cristãos. O ardor apostólico incansável deste missionário envergonha muitos cristãos acomodados e suscita vocações semelhantes.

Com razão Xavier pensava que se a China aceitasse o cristianismo, este se espalharia mais facilmente também pelo Japão e a Índia. Era o seu sonho! Um contrabandista aceita levar Xavier, até o continente chino, mas sumiu, após receber o dinheiro...

Por fim, como um guerreiro esgotado, nosso missionário jesuíta cai doente e morre na Ilha de Sancião, a poucos quilômetros da China. Xavier tinha 46 anos de idade e seu sonho ainda aguarda para ser realizado... 


Xavier foi canonizado pelo Papa Gregório XV, em 1622.

São Franciscico Xavier rogai a Deus por todos os povos do Oriente!

Uma pergunta: Você é discípulo e missionário na sua realidade familiar e social?



A CNBB emitiu uma nota "em defesa da vida" e "discorda da forma com que o aborto foi tratado num julgamento de Habeas Corpus, no STF".

NOTA DA CNBB EM DEFESA DA VIDA
Propus a vida e a morte; escolhe, pois, a vida...” (cf. Dt 30, 19)

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB, por meio de sua Presidência, manifesta sua posição em defesa da integralidade, inviolabilidade e dignidade da vida humana, desde a sua concepção até a morte natural (cf. Constituição Federal, art. 1°, III; 3°, IV e 5°, caput).

A CNBB respeita e defende a autonomia dos Poderes da República. Reconhece a importância fundamental que o Supremo Tribunal Federal (STF) desempenha na guarda da Constituição da República, particularmente no momento difícil que atravessa a nação brasileira. Discorda, contudo, da forma com que o aborto foi tratado num julgamento de Habeas Corpus, no STF.

Reafirmamos nossa incondicional posição em defesa da vida humana, condenando toda e qualquer tentativa de liberação e descriminalização da prática do aborto.

Conclamamos nossas comunidades a rezarem e a se manifestarem publicamente em defesa da vida humana, desde a sua concepção.

Nossa Senhora, Mãe de Jesus e nossa Mãe, interceda por nós, particularmente pelos nascituros.
Brasília, 1º de dezembro de 2016

Cardeal Sergio da Rocha                                    Dom Murilo S. R. Krieger
Arcebispo de Brasília-DF                                     Arcebispo de São Salvador-BA
Presidente da CNBB                                              Vice-Presidente da CNBB

Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília-DF
Secretário-Geral da CNBB

PD. E você o que pensa sobre esse assunto?