A 3ª Preferência Apostólica Universal da Companhia é: Acompanhar os jovens na criação de um futuro cheio de esperançaCaminho que leva a Deus, à solidariedade, e à construção de um mundo mais justo e freterno.

O Sínodo da Juventude de 2018 reconhece a situação dos jovens, que enfrentam enormes desafios no contexto atual, e, como a Igreja e a Companhia quer se colocar para perceber e discernir a passagem do Espírito Santo neste momento da história humana. 

Nesse sentido os jesuítas nos propomos:
. A deixar-se guiar pelos jovens, com sua perspectiva, pois são eles os que podem nos ajudar a compreender melhor esta mudança de época que estamos vivendo, como também sua novidade cheia de esperança.
Criar e manter espaços abertos aos jovensna sociedade e na Igreja é uma contribuição a ser dada pelas obras apostólicas da Companhia de Jesus.
. Acompanhar os jovens, o que exige de nós coerência de vida, profundidade espiritual, abertura à partilha da vida-missão na qual encontramos sentido para o que somos e fazemos.

Os jesuítas sabem que podem aprender com os jovens a encontrar Deus em todas as coisas e a contribuir, dentro do que podem oferecer, os ministérios e apostolados próprios da Companhia: conversão pessoal, comunitária e institucional e o que torna possível esta mesma conversão.



Dias atrás, 15/MAR, celebrávamos a memoria de São Longinho, soldado romano que atravessou, com uma lança, o peito de Jesus na Cruz.
A tradição diz que era de baixa estatura, e tinha problemas de visão. Ao atravessar o peito de Jesus, algumas gotas de sangue salpicaram no seu rosto, sarando imediatamente da visão distorcida que tinha: Verdadeiramente este homem era Filho de Deus! Confessou publicamente sua fé, e se fez discípulo do Nazareno. É o primeiro não judeu a ser cristão; morreu decapitado.
A ponta da lança é uma relíquia muito prezada da catedral de Viena. 
Lembro-lhe que num dos nichos localizados no centro do transepto da basílica de São Pedro/Roma, temos uma magnífica escultura de São Longinho, altura 4,40 m., feita por Bernini. Nos outros nichos estão as esculturas de Santo André, irmão de Pedro, Santa Helena, mãe de Constantino, e a da Verônica.

Que também nós possamos confessar nossa fé em Jesus, como filho de Deus.


São Longinho, por Bernini...




Ninguém se estranha que este homem judeu, pai adotivo de Jesus, e esposo de Nossa Senhora, seja santo. 

Santo e padroeiro da Igreja! 


PARA OUVIR O HINO DE SÃO JOSÉ CLIQUE AQUI


Cantemos:
São José, a vós o louvor,
Sede nosso bom protetor,
Aumentai o nosso fervor!


No Egito (85 milhões de hab.) nem sempre a convivência muçulmana-cristã foi pacífica e ordeira. Frequentemente a minoria cristã Copta, 10% da população, foi perseguida e pouco respeitada.

O governo atual do general Al-Sisi (*1954), bem diferente do anterior da Fraternidade muçulmana, pretende dar espaço mais democrático a todos os egípcios sem distinção religiosa. Assim, pois, foram regularizadas, até agora, 783 igrejas cristãs já construídas nesse país. Parece muito? Há mais de 3.700 igrejas, já construídas, e que esperam ainda ser legalizadas pelo governo. 

Lembro-lhe que há 30 jesuítas trabalhando no Egito, e 9 jovens no nosso noviciado do Cairo. 

A tradição Copta diz que o cristianismo entrou no Egito com o evangelista são Marcos. 






ADIVINHA DE QUEM É 
A PRIMEIRA MÃO?



Enquanto rezava, seu rosto mudou de aparência e sua roupa ficou muito branca e brilhante... (Lc 9, 29)


O evangelho deste domingo recorda a Transfiguração de Jesus no monte Tabor, revelando seu rosto diante de todos. O evangelista Lucas centra a nossa atenção no rosto radiante de Jesus. 

Neste tempo quaresmal, Jesus nos faz subir ao monte, para que o contemplemos e saibamos quem Ele é. Pois bem, seu rosto iluminado transparece no rosto de cada ser humano, sobretudo dos mais pobres e excluídos. A Transfiguração move-nos a descobrir Deus nos rostos dos outros (enfermo, encarcerado, estrangeiro, excluído...), pois eles são em Cristo a beleza e a presença suprema de Deus

A revelação bíblica diz que o ser humano é imagem de Deus. No entanto, hoje, vemos essa imagem desprezada pela violência, ameaçada pela pobreza e o desprezo anônimo das grandes cidades. Contudo, todo rosto, por mais desgastado ou destruído que esteja, revela-se único e inimitável, para quem consegue ver com o coração. rosto desvenda o mistério do olhar.

A palavra é a linguagem dos pensamentos e o rosto a linguagem das emoções. A face humana é carregada de sentido. Fala, sem utilizar palavras; diz, sem soltar a voz. A nossa face é um mistério que só o amor sabe desvendar.

Palavras e expressões andam juntas e se interpenetram. As expressões do rosto denunciam nossa interioridade, e acrescentam cor e verdade às palavras, tanto que, às vezes, até as desmentem. A linguagem do rosto vem do fundo da alma, pois as emoções não mentem.

Nesse sentido, a Transfiguração que hoje celebramos revela a realidade mais profunda e divina de Jesus. No seu rosto iluminado transparece a divindade. Ser transparente é um objetivo que só o amor alcança. 

Contudo, não basta contemplar rostos humanos se não nos deixamos interpelar por eles. Só quem é transparente, possui um olhar límpido e pode captar o “mistério” escondido no rosto do outro. O olhar transfigurado deve ser portador do bom aroma que atrai ao encontro e à fraternidade.

Em nosso corpo, o “rosto” tem uma importância muito especial, pois só através dele e de seu olhar, nos mostramos como somos. O rosto e o olhar dão ao nosso corpo uma beleza verdadeira, tão diferente das máscaras postiças dos cosméticos, das joias e das roupas. Um rosto “transfigurado” que nos leva para a transcendência e a santidade. 

O verdadeiro rosto nasce do coração, quando este se transfigura.