Você saberia dizer quem está querendo puxar o tapete do Papa Francisco?


O que essa foto tem a ver com você?...



Aconteceu no dia 18/FEV, sábado. Milhares de fieis católicos, dezenas de padres e bastantes bispos ‘clandestinos’, fieis ao Papa participara dos funerais do bispo emérito Tianshui, também ‘clandestino’. A polícia não reagiu a esta celebração massiva.
Dom Wang Milu pertence àquela geração de bispos que tentaram reconstruir a Igreja católica, 1980 e 1990, após o tsunami da revolução cultural (1966-1976).
Dom Milu nascera numa família católica rural, no nordeste do país. Tinha uma irmã religiosa e mais dois irmãos ao serviço da Igreja: um como padre e outro também como bispo.

Dom Milu foi ordenado bispo secretamente, em 1981. Tempos muito difíceis para os católicos da China.

Jovem e empurrado pelo Espírito de Deus, percorreu as comunidades católicas chinesas, com grande zelo apostólico, ordenando padres e também alguns bispos... Em 1984 foi preso em Pequim e condenado a 10 anos de prisão por esta atividade 'clandestina' e contra revolucionária.

No final, parece que não dominava mais sua cabeça e segundo alguns ordenou de diácono um menino de 8 anos, e um lama tibetano de padre. Também teria ordenado de presbíteros cristãos leigos casados... Era sua obsessão reconstruir a hierarquia da Igreja católica!

Seu irmão, atual bispo de Tianshui, precisou organizar melhor aquela atividade pastoral desenfreada de D. Milu. Não há dúvida que foi um homem bom e cheio de zelo apostólico.

E, segundo o testemunho de muitos: era um pobre a serviço dos outros pobres.

Trago hoje o testemunho desse bispo extraordinário. 

Descanse em PAZ!







Querido neto,

Acabei de ter uma experiência religiosa incrível e eu estou escrevendo para compartilhá-la com você.... Hoje de manhã fui a uma livraria cristã e me chamou a atenção um adesivo para carro que dizia: 'TOCA A BUZINA SE AMAS A DEUS...'

As pessoas ficam tão estressadas no trânsito! Então eu decidi comprá-lo e pregá-lo no para-choque do meu carro. Assim, quem sabe, as pessoas despertem sua consciência religiosa quando estão dirigindo...

E não é que funciona mesmo! Ao sair com o carro, cheguei a um cruzamento de duas avenidas que estavam entupidas de carros. A temperatura exterior era de 37 graus e meu carro, você sabe, não tem ar condicionado... Para piorar mais a situação, era hora de saída das escolas... Fiquei um tempão parada, esperando o farol vermelho abrir... Pensei no Senhor e no amor que sinto por Ele...

Não me dei conta que o farol tinha mudado para o verde, e foi aí que descobri como existem muitas outras pessoas neste mundo que também amam ao Senhor, porque imediatamente começaram a tocar as buzinas... Foi uma experiência maravilhosa!

A pessoa que estava logo atrás do meu carro, era sem dúvida muito religiosa, já que tocava a buzina sem parar e gritava: “Vamos, pelo amor de Deus!... Acho que influenciados por ele, todos os outros carros começaram a tocar a buzina. Eu sorri e abaixei o vidro para saudá-los com a mão através da janela, totalmente emocionada.

Vi que outro rapaz muito simpático me saudava de uma maneira muito particular levantando só o dedo médio da mão... Eu perguntei ao Betinho, filho da sua tia Marisa, que estava comigo, o que queria dizer esta saudação. Ele me disse que era uma 'saudação havaiana' de boa sorte... Os jovens são tão atenciosos!

Aproveitando que o trânsito continuava parado, coloquei minha mão para fora da janela e saudei a todos da mesma maneira... Seu primo morria de rir, feliz com a bela experiência religiosa que eu estava vivendo... Dois homens desceram de um carro próximo do meu e vieram em minha direção... Enquanto eles se aproximavam pensei no poder que tinha um simples adesivo e já me preparava para rezar com eles ou para perguntar qual era a igreja que eles frequentavam, mas não deu tempo... Foi neste momento que reparei que o farol estava verde para mim. Então, saudei de novo a todos da mesma forma, e passei o semáforo.

Depois de cruzar, notei que o único carro que havia podido passar era o meu, já que o farol ficou logo vermelho. Aí eu me senti triste de deixá-los para trás, depois de todo o amor que havíamos compartilhado... Resolvi então parar o carro, abaixei o vidro mais uma vez e saudei a todos com a ‘saudação havaiana’ ... e fui para casa.

Rezo por todas essas almas tão boas e me sinto revigorada por saber que ainda existem tantas pessoas que amam o Senhor...

Com carinho da tua avó...



“E se saudais somente os vossos irmãos, o que fazeis de extraordinário? (Mt 5,47)

Jesus estabelece a diferença entre o modo pagão e o modo cristão de viver o cotidiano. A “cotidianidade” de nossa vida está tecida de coisas “ordinárias”, contraposta ao que ocorre de maneira “extra-ordinária”.

A maioria das pessoas vive restrita ao ordinário com o anonimato que ele envolve. No entanto, no seio do ordinário pode brotar uma mudança, uma transformação. Se vivificamos o ordinário com novidade e criação, ele se torna o “lugar” das experiências. E a “experiência é a sabedoria da vida”.

O ordinário pode significar um avanço na aceitação do “pequeno”, das coisas mais simples... tudo tem sentido, tudo é digno de ser cuidado. Até o ordinário que aliena, pode estar grávido de utopia.

Jesus pergunta aos seus seguidores o que fazem de extraordinário? Mas, o que é o “extraordinário”? A palavra nos sugere pensar o seguinte: “extra” + “ordinário”.

Ordinário” é o que está na ordem do dia, na mesmice do dia a dia: acordar, trabalhar, estudar, casar, comprar, consumir, morrer…

Milhões de pessoas passam a vida fazendo o ordinário. Aqueles que fazem coisas “além desse ordinário”, ou seja, “extra”, são pessoas “extraordinárias”. Tudo o que vai além da normalidade, do comportamento geral, é extraordinário.

Dessa forma, tiramos do conceito de “extraordinário” a necessidade de “coisas enormes”. Mas, coisas mais profundas, com mais sentido, com “sabor diferente”, com “características diferenciadas”.

O seguimento de Jesus é para aqueles que querem “algo mais”, que querem o “extraordinário”.

A espiritualidade é a contracorrente do ordinário. A espiritualidade nos impulsiona para a busca e a descoberta. Se permanecermos simplesmente no ordinário, então nos tornaremos medíocres e nos contentaremos com o “menos”.

A espiritualidade cristã é a espiritualidade do cotidiano, apontando sempre para um horizonte mais amplo e mais rico. É a espiritualidade que reacende desejos e sonhos novos, que faz descobrir, escondida no ordinário, uma Presença absoluta que nos envolve. É saborear o eterno e o Absoluto no ritmo doméstico e cotidiano da vida...

Santo é aquele que faz as coisas ordinárias de forma extraordinária. Uma pessoa “normal”que faz tudo de forma extraordinária. E temos muitas pessoas extraordinárias no mundo hoje, felizmente: Não retribuem violência com violência, nem se deixam corromper... Tais pessoas fazem a diferença.

É a “mística” que nos desperta da letargia do cotidiano. O cotidiano guarda segredos, novidades, energias ocultas, forças criativas... que podem conferir novo sentido e brilho à vida. O Reino de Deus se revela no pequeno, no anônimo, no ordinário e não só no espetacular, no grandioso.

Até as “ações cotidianas insensatas” podem ser “sensatas” (com sentido), se percebermos Deus presente nelas. Descobrir a presença divina escondida no ordinário é encontrar-nos acolhidos pelo abraço do Criador que nos envolve.

O cotidiano torna-se o “lugar” das experiências mais importantes e significativas, pois é na realidade diária que o cristão vive a comunhão com Deus e os outros. Ser cristão no mundo é ter Jesus como referência de vida.


Se a vida cotidiana se torna monótona é necessário sacudi-la com algum “detalhe não-normal”, para revigorá-la e dar-lhe fecundidade. Neste sentido, os tempos de oração são momentos privilegiados para encontrar a fonte do extraordinário. 


Os ultraconservadores continuam atacando o Papa Francisco. Primeiro foi, fim de 2016, a carta aberta dos 4 cardeais querendo por uma arapuca ao Papa. Nunca vimos coisa semelhante! O Papa, felizmente, não respondeu. 
A seguir, apareceram aqueles cartazes, colocados nas ruas centrais de Roma, acusando Francisco de prepotente e tirano. Dias depois, vieram os ‘pasquins’ afixados nos muros falando mal do Papa, e agora esta canção satírica denunciando o ‘clima de medo’ na Cúria romana, e que coloco a seguir.
"That's Amoris" se titula o vídeo ridicularizando a Exortação apostólica “Amoris Laetitia”, seguindo a melodia clássica "That's Amore" de Dean Martin.


E eu me  pergunto: Quem está por detrás dessa investida contra o Papa Francisco?

Para ver e ouvir o vídeo CLIQUE AQUI

Hoje o Papa Francisco realizará sua primeira visita à universidade pública de Roma TRE, a convite do Reitor e da comunidade acadêmica

Lembro que em 2008 o Papa Bento XVI também quis visitar a mais famosa das universidades de Roma, La Sapienza, mas o corpo docente e muitos alunos se opuseram violentamente, e a visita foi cancelada.  

O Papa chegará às 10h00 da manhã (hora italiana) e se reunirá na Aula Magna com estudantes e a comunidade acadêmica. O que vai ouvir? O que vai dizer? Só sei que este homem não para quieto e não perde tempo nem oportunidade para clamar por um mundo mais fraterno 'sem muros' e com mais 'pontes' entre os países, as religiões e os cidadãos... 

Se todos fôssemos assim! 

Francisco escutará o testemunho de vários alunos, entre eles o de Nour Essa, micro bióloga de 31 anos, e que fazia parte daquele grupo de refugiados sírios que o Papa trouxe da ilha grega de Lesbos. A Universidade Roma Tre conta com mais de 40.000 estudantes.
.
Deus te inspire palavras e os gestos, profeta Francisco!