O Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra foi instituído oficialmente em 2011. A data faz referência à morte de Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares, local situado entre os estados de Alagoas e Pernambuco. Zumbi foi morto em 1695, por bandeirantes liderados por Domingos Jorge Velho. Por muitos anos se quis ignorar sua pessoa e o que ele significava. 

Com a redemocratização do Brasil e a promulgação da Constituição de 1988, vários segmentos da sociedade, como o Movimento Negro, obtiveram maior espaço no âmbito das decisões políticas: Reformulação da história a partir do oprimido, Lei do preconceito de raça ou cor (1989), cotas raciais no âmbito da educação superior (2003), etc.

Quem lutou e morreu por uma causa justa merece ser lembrado por todos. 

Você gostaria de acrescentar mais alguma coisa?


Salve Zumbi dos Palmares!

O Dia Mundial dos Pobres tem a finalidade de combater a pobreza e ajudar as pessoas carentes a conquistarem dignas condições de vida...

O Papa Francisco almoçou com os pobres, neste domingo (18⁄NOV), na Sala Paulo VI, por ocasião do 2º Dia Mundial dos Pobres. A refeição foi oferecida pelo Hotel Hilton de Roma. 
Ao chegar à Sala Paulo VI, o Papa saudou os presentes com as seguintes palavras:
Bom dia!
Agora, todos vamos almoçar juntos. Agradecemos as pessoas que trouxeram o almoço e aquelas que servirão o almoço. Agradecemos a todos e pedimos a Deus para que abençoe todos nós. Uma bênção de Deus para todos, todos nós que estamos aqui. Que Deus abençoe cada um de nós, abençoe os nossos corações, abençoe as nossas intenções e nos ajude a seguir em frente. Amém e bom almoço!

Setenta voluntários das paróquias de Roma serviram cerca de 3.000 pessoas carentes, acompanhadas por associações de voluntariado.

O cardápio foi composto de lasanha, nuggets de frango, purê de batatas e pavê.

Os jovens da Banda do Santuário de Pompéia animam o almoço festivo com o Papa.

No final, a empresa de alimentos “Rummo” deu de presente aos participantes uma sacola com um quilo de macarrão e outras guloseimas.

Após a refeição, Francisco agradeceu a todos pela companhia e disse sorrindo: Disseram-me que agora começa a verdadeira festa e que o Papa tem de ir embora, para que a festa seja boa”.

Muito obrigado! Obrigado pela companhia. Obrigado aos músicos. Obrigado a todos aqueles que prepararam o almoço, aos que o serviram e aos jovens que ajudam aqui. Obrigado a todos. Rezem por mim. Que o Senhor os abençoe. Obrigado! 

Várias paróquias, Centros de voluntariado, Colégios e Escolas, cada um segundo suas possibilidades, aderiram à iniciativa e também ofereceram refeições aos pobres, num momento de grande alegria e partilha.

Antes de deixar a Sala Paulo VI, o Papa Francisco saudou as crianças, os pobres e as pessoas presentes e tirou uma foto com os cozinheiros.

Deus seja louvado!



O que precisamos trocar?

“...ficai sabendo que o Filho do Homem está próximo, às portas”(Mc 13,29)

Estamos no penúltimo domingo do “ano litúrgico B”, e o evangelho é tirado do “discurso escatológico” ou“pequeno apocalipse” de Marcos. Este capítulo faz a ponte entre a vida pública de Jesus e a sua Paixão. 

Escatologia (grego: escatónúltimo), leituras que fazem referência “aos últimos tempos”, convidando-nos à “vigilância”e à atenção ao tempo presente. O discurso escatológico de Marcos recorda algumas convicções que devem alimentar a esperança dos seguidores de Jesus.Anúncio esperançador reforçado pela imagem da figueira que, carregando-se de brotos, anuncia a primavera. Caminhamos para uma Primavera que não conhecerá ocaso: “O céu e a terra passarão, mas minhas palavras não passarão”.

Este Evangelho tem muito de invernoe muito de primavera. Fala-se desse momento final, onde tudo parece terminar em cataclismo. Mas logo nos abre à primavera da figueira que começa a gerar novos brotosnos ramos, ainda quase desnudos do inverno. E, finalmente, enraíza nossa esperança na Palavra de Deus. 

Se pudéssemos optar escolheríamos as estações da primavera e do verão. No entanto, não podemos imaginar um ano sem a estação do inverno. No inverno, a terra se faz mais fecunda, a seiva se concentra nas raízes e logo poderão dar melhores frutos. As plantas ficam hibernando para estarem mais sadias nas outras estações. O inverno é estação de silenciosa transformação que começa nas profundezas das raízes.

A vida passa por contínuos invernos: desafios, dúvidas, obscuridade, tribulações, desolações... Inverno da fé que nos fazem descer às raízes para concentrar energias e, assim, robustecer-nos para um novo impulso vital. 

Incômodos do presente, fracassos, obscuridade diante do futuro, crises sociais e econômicas, intolerância e preconceitos são o inverno da esperança;não matam a esperança, mas dão-lhe maior consistência e profundidade.

Sobre este mundo petrificado e indiferente se anuncia e se prepara a vinda de Jesus. Os modelos atuais de vida, centrados no individualismo e no descarte, no poder e violência serão excluídos... Deus novamente intervirá criando uma nova ordem de salvação, centrada no Filho do Homem, e não mais no sol, a lua ou as estrelas que alimentam o ego pessoal e social. Este mundo não será consumido, mas consumado,pois Deus reserva uma plenitude de sentido para a Criação inteira. 

Mas, esse “des-astre”(destruição dos `astros´) não se refere somente a uma realidade exterior, mas também omundo interior, onde o ego brilha como o “sol”, a vaidade se revela como “lua”, e as vaidades e aparência nos fazem sentir como “estrelas”. Viver é bonito, mas também muito perigoso.

No entanto, resistimos! A esperançaé um princípio vital, expresso na sábia constatação de que “enquanto houver vida, há esperança”. E a esperança se fortalece na obscuridade e na crise.

A condição humana pode ser definida em termos de "espera radical"ou de "esperança". Quando uma sociedade perde a esperança, a vitalidade se atrofia e a vida corre o risco de degradar-se. A esperança tem caráter profético, pois afirma como se visse o melhor que esperamos. E, enquanto o anuncia, de certa forma, o prepara.






O tema escolhido este ano pelo papa Francisco para a 2ª Jornada Mundial dos Pobres (JMP) é: ‘Este pobre grita e o Senhor o escuta’ (Sl 34,7). Somos convidados a encontrar-nos com as diversas condições de sofrimento e marginalização em que vivem tantos irmãos e irmãs nossos que designamos com o termo genérico de `pobres´.
Todos são convidados para participar da Jornada Mundial dos Pobres, uma Semana da Solidariedade, organizando momentos de encontros fraternos, celebrações ou mobilizações públicas entre os dias 11 e 18/NOV/2018, com gestos concretos de solidariedade e acolhida com as pessoas em situação de vulnerabilidades extremas. Vamos expressar nossa capacidade de ser uma comunidade humana solidária e cuidadora de toda a Criação.
Mobilize sua comunidade, grupo, pastoral ou coletivo para organizar a Jornada Mundial dos Pobres. Entre as ações possíveis sugerimos:
·      Gincanas para arrecadação de alimentos e roupas
·      Celebrações da Palavra e eucarísticas; 
·      Estudo da mensagem do Papa Francisco e rodas de diálogos; 
·      Círculos bíblicos; 
·      Manifestações públicas para chamar atenção do poder público local sobre alguma situação de negação de direitos aos empobrecidos; 
·      Campanhas de cidadania com atendimentos sociais; 
·      Atividades lúdicas e esportivas; 
·      Audiências públicas; 
·      Atividades em espaços de medida socioeducativa, asilos, orfanatos, presídios, com o povo da rua, organize uma partilha fraterna das refeições (café da manhã, almoço ou jantar com as pessoas em situação de rua ou vulnerabilidade social) e partilhem da mesma mesa.

O Vaticano abrirá um hospital de campanha na Praça São Pedro e prestará assistência gratuita às pessoas necessitadas, até as 22h. Haverá médicos especializados em cardiologia, dermatologia, reumatologia, ginecologia, e também oculistas e podólogos.
O Papa celebrará uma missa para pessoas em situação de rua, e a seguir almoçara com 3.000 pessoas necessitadas no Vaticano. O almoço foi oferecido pelo Hotel Hilton de Roma. 




Está em andamento na Arquidiocese do Rio de Janeiro a “Semana da Solidariedade” no âmbito do 2º Dia Mundial dos Pobres que será celebrado no próximo domingo (18/11).

Nesta Semana da Solidariedade, estão sendo realizadas várias iniciativas, entre elas a inauguração, no próximo domingo, da escultura “Jesus sem-teto”doada pelo artista canadense Timothy Schmalz, à Arquidiocese do Rio de Janeiro, através da Embaixada do Brasil junto à Santa Sé e a Ordem do Santo Sepulcro.

A estátua é uma réplica da escultura doada ao Papa Francisco, em 2016, que se encontra na entrada da Esmolaria Apostólica, no Vaticano, organismo que tem a função de exercer a caridade para com os pobres em nome do Sumo Pontífice.

A obra ficará na catedral metropolitana do Rio de Janeiro, junto com a imagem de Madre Teresa de Calcutá, a fim de recordar as pessoas que vivem na rua.

Lembro que em Cafarnaum/Israel há outra escultura de `Jesus sem teto´, e em todas as nossas cidades homens e mulheres passando pela mesma situação...

Isto mexe comigo!





O P. Victor-Luke Odhiambo, sj foi assassinado esta madrugada na residência dos jesuítas em Cueibet, Sudão do Sul. O P. Victor-Luke, 62 anos de idade, era o Superior Interino dos jesuítas e também reitor da Escola Superior de Educação.

O P. Geral, Arturo Sosa expressou sua consternação perante esta notícia.

As atividades dos jesuítas no Sudão do Sul estão especialmente ligadas à educação.

O P. Victor-Luke Odhiambo, SJ tinha entrado na Companhia de Jesus quando contava 22 anos de idade, e estava no Sudão do Sul como missionário havia 10 anos. O seu funeral terá lugar no fim de semana em Rumbek. O corpo foi transladado para o hospital desta cidade onde os jesuítas também têm uma comunidade.

Descanse em paz!