Quatro cardeais contra o Papa Francisco…


Não há pior surdo do que aquele que não quer ouvir, e a mente de estes quatro cardeais não quer se abrir. Não entendem, nem querem entender que a Igreja à qual eles pertencem tem mais a ver com a pessoa de Jesus de Nazaré do que com os silogismos mentais de suas pobres cabeças.  

Eles parecem ovelhas, por aquilo que representam, mas são lobos vorazes por aquilo que perseguem. Foram inteligentes, mas não conseguem mais acompanhar o raciocínio do Evangelho. Ficaram atrapados nas suas pobres construções mentais: Como pode pertencer à Igreja quem vive em pecado? E como perdoar quem não está arrependido? E como algo é agora possível, e antes não?... 

Jesus veio buscar quem estava perdido! Ele é pura gratuidade para todos nós! ele nos amou quando ainda éramos pecadores... Eles só aceitam a lógica do "eles não merecem!" E, por isso o Papa Francisco não entrou nessa casuística interminável, e não respondeu à carta deles. E então, sapatearam como crianças, e fizeram pública a carta... O Papa vai saber quem somos nós, Cardeais da Santa Igreja! Coitados!  

Os quatro, ultra tradicionalistas, quiseram por à prova os ensinamentos do Papa, como outrora os fariseus fizeram com Jesus. E eles ainda dizem: Ninguém nos julgue injustamente como adversários do Papa Francisco ou como pessoas sem misericórdia... Coitados, eles mesmos se entregam e se auto justificam, pois todos percebemos que a verdadeira intenção é mesmo a de desconstruir publicamente o magistério do Papa Francisco. Senhores cardeais, isso é muito feio!

Quem são eles? Walter Brandmüller e Joachim Meisner (alemães), Carlo Cafarra (italiano) e Raymond Burke (norte-americano), e acham que a exortação pós-sinodal, Amoris Laetitia, deve ser colocada de lado! E eu que vou dar um curso em Itaici sobre esse documento!

Defendem o magistério de sempre, por que tem pavor da Boa Nova do Evangelho!

E eles dizem: Queremos “continuar a reflexão e a discussão serena e respeitosamente"... Senhores, isso não é reflexão, mas opinião fechada e nada respeitosa!

Os itens 300 a 305 da Exortação mexem com os intestinos destes senhores, pois aludem suavemente a uma mudança na disciplina tradicional da Igreja com os divorciados e que agora vivem em nova união.

Eles querem que o Papa responda com um simples “SIM” ou um “NÃO”. Pode ou não pode? Se dizer SIM, o Papa contraria o magistério da Igreja; se dizer NÃO a Amoris Laetitia não vale para nada.

O Papa insiste na inclusão de “todos” na Igreja, e eles advogam pela “exclusão” de muitos de nossas comunidades e pastorais. Como entender-nos? Dá a impressão que estes cardeais esqueceram de serem pastores, e o que isso significa na Igreja. 


Uma tristeza! O amor encontra resistências...



31 comentários:

  1. Cardeais que não aprenderam a serem misericordiosos. São os novos homens velhos que tem pedra nas mãos... Triste...

    ResponderExcluir
  2. São uns idiotas ... mortos vivos cujas ideias fedem e muito por passam. Ñ tem o que fazer r ficam inventando

    ResponderExcluir
  3. Absurdo. De certa forma estamos com os mesmos problemas em Itaú de Minas. Alguns grupos da Igreja com resistência à inclusão. Padres em silêncio. Em suas páginas no Face é só fotos e festas. Daqui a pouco vou escrever alguma coisa sobre inclusão fundamentado nas palavras de Jesus "Vinde a mim todos vós que estais cansados e aflitos e eu vos aliviarei. Se Jesus não excluiu, a nossa Igreja que é de Jesus não pode excluir.
    (A.C.S)

    ResponderExcluir
  4. Dizem que os olhos são as janelas da alma, é a mesma revela o que se tem no coração. Basta olhar para os olhos dessa criaturas para ver quem são. Não aprenderam nada nesses anos todos de sacerdócio. Como o Sr. Mesmo disse são lobos em pele de cordeiro. Fariseus hipócritas... (F.B.F)

    ResponderExcluir
  5. Aqui o que opera, na minha opinião, que, neste momento, vou basear na teoria de Jung, são dois elementos: o primeiro é uma profunda fragilidade, uma montanha de medos, e a decorrente necessidade de manter o controle, de guardar para si a posição de poder. Típico do narcisista. Típico de quem só raciocina fixado em afirmar como as pessoas são, mas que jamais se pergunta QUANTO VALEM AS PESSOAS, sejam como forem... O segundo elemento (sinto muito se for chocante) é a maldade pessoal. A SOMBRA. É óbvio que se uma pessoa deseja julgar e condenar, não pode estar em posição criticável...Infelizmente esse quarteto é bastante criticável... Tão pateticamente criticável... O que fazer, então? Despejar toda a sua maldade, seu azedume, sua ânsia de poder, projetar toda a sua sombra em quem for possível. O Papa, aqueles que, agora, são objeto de nossa misericórdia... Um ventilador de material putrefato. Nem os acuso... São graves doentes mentais. Coloco meu consultório à disposição. ;)

    ResponderExcluir
  6. O amor encontra resistência. Desconfiam do Papa e não de si mesmos... Uma tristeza esses cardeais. Está ótimo o texto! (L.L)

    ResponderExcluir
  7. o biotipo dos caras é muito igual senhoras e senhores...genética opressora

    ResponderExcluir
  8. Eles confundem o ensino teórico com a prática no Povo de Deus: devemos agir na prática, não no estudo teórico, para que possamos ser verdadeiros e eficazes, na prática. Conheci o cardeal Caffara quando ele era um professor, e é isso que eu disse sempre foi o seu problema.

    ResponderExcluir
  9. Quatro cardeais corajosos em meio a uma multidão de purpurados pusilânimes. Jesus é misericordioso mas não é conivente com o pecado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jesus é misericordioso com o pecador

      Excluir
  10. Uma enorme tristeza, ainda existir mentes brilhantes dentro da igreja, mas que perderam a capacidade de abrir as janelas e ver que existe um novo mundo lá fora. Um mundo veloz e cheio de oportunidades colocadas por Deus para nossa reflexão. Reflexão que Igreja necessita fazer rapidamente e que vejo neste novo Papa essa capacidade. Triste pelos cardeais, mas feliz e esperançoso pelas idéias de Papa Francisco. Que assim seja.

    ResponderExcluir
  11. Parabéns a esses cardeais que defendem a verdadeira igreja de Cristo e não uma falsa criada por esse Papa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpe Benicio, mais a Igreja verdadeira de Cristo é aquela que inclui e não aquela que exclui. Devemos ser luz para os pecadores e não trevas. quem está doente precisa de médico quem esta no pecado precisa de perdão, não acha?

      Excluir
  12. " Porque virá o tempo em que os homes já não suportarão a sã doutrina da salvação levados pelas próprias paixões e pelo prurido de escutar novidades, ajustarão mestres para si, apartarão os ouvidos da verdade e se atirarão às fábulas." 2 Timóteo 4 3-4

    ResponderExcluir
  13. Muito bem, Ramon! Que não nos falte coragem de ajudar o Papa Francisco a conduzir a Igreja pelos caminhos da misericórdia, e não das leis, como podemos ver nos comentários acima.

    ResponderExcluir
  14. se observamos na história, Jesus fez oque este Papa está fazendo, foi até os oprimidos, pecadores, pobres e excluídos... comeu com eles, viveu com eles, foi capaz de perdoar seus pecados... e os transformar.
    diferente destes cardeais do ouro, dos opressores, dos palacios... aqueles mesmo que Cristo demoliu, quebrou... dizendo: aqui não é a casa de Deus, é apenas um comércio pra iludir o povo...

    e assim se traduz essa corja da Igreja hoje...
    parabéns Papa Francisco, parabéns a Teologia da Libertação...

    ResponderExcluir
  15. "Não separe o homem o que Deus uniu" não valeu mais?

    ResponderExcluir
  16. Mateus 7, 23 " Então lhes declarei: Nunca os conheci: Afastai-vos da minha presença, vós que praticais o mal."

    ResponderExcluir
  17. Só vejo os hipocritas desse blog julgando os cardeais. Engraçado que quando é o Papa Francisco que é chingado (sou contra xingamentos ao papa), vcs usam de "dois pesos e duas medidas", dizendo que devemos obediência, que tem que respeitar. Agora quando são cardeais que pensam diferente dessa ideologia dogmática-progressista de vcs, aí é foda-se o respeito,a obediência: um chama de "idiotas", o outro de "doentes mentais" e o resto só usando de julgamento temerário pra cima dos cardeais, querendo adivinhar até as intenções dos corações dos caardeais (!!!). Sabe o que é isso? Idolatria, estão fazendo do Papa Francisco um deus, intocável, que não pode errar. Papa Francisco não é Deus, queridos! Infabilidade não é ausência de pecado pessoal do papa, nem de atitudes pastoralmente erradas, nem que cada entrevista que o papa dá é infalível, infabilidade é que o Espirito Santo guia o papa em questões de fé e moral. E se querem saber, o primeiro "opressor" e "sem misericórdia" foi Jesus que disse: “O homem que se divorciar de sua mulher e se casar com outra, cometerá adultério contra a primeira mulher. E se a mulher se divorciar do seu marido e se casar com outro homem, ela cometerá adultério”. (Mc 10,11-12). Vocês querem ser maior do que Jesus, por acaso? E o que dizer de São Paulo que fez correção fraterna a São Pedro, o primeiro papa em Gl 2,11-16. Pelo amor de Deus, vão procurar nascer de novo, pede o Espirito Santo pra converter vcs de novo...

    ResponderExcluir
  18. Vejamos um trecho de entrevista com o Cardeal Burke:
    "Sem o esclarecimento que estão buscando, os senhores estão dizendo, portanto, que um ou outro ensinamento em Amoris Laetitia vão contra o princípio da não-contradição (que afirma que algo não pode ser verdadeiro e falso ao mesmo tempo quanto se tratando do mesmo contexto)?

    É claro, porque, por exemplo, se tomarmos a questão do matrimônio, a Igreja ensina que o matrimônio é indissolúvel, segundo a palavra de Cristo, “Aquele que se divorciar de sua mulher e se casar novamente comete adultério”. Portanto, se você é divorciado, não pode entrar em uma relação marital com outra pessoa ao menos que o vínculo indissolúvel ao qual está ligado seja declarado nulo, isto é, não existente. Porém, se você diz, bem, em certos casos, uma pessoa vivendo em uma união matrimonial irregular pode receber a Sagrada Comunhão, então, só pode restar uma das duas: ou o matrimônio realmente não é indissolúvel — como, por exemplo, na espécie de “teoria da iluminação” do Cardeal [Walter] Kasper, que sutenta que o matrimônio é um ideal ao qual não podemos, realisticamente, manter as pessoas. Nesse caso, perdemos o senso da graça do sacramento, que permite aos casados viverem a verdade de sua aliança matrimonial — ou a Sagrada Comunhão não é a comunhão com o Corpo e Sangue de Cristo. É claro, nenhuma das duas é possível. Elas contradizem o ensino constante da Igreja desde o início e, logo, não podem ser verdadeiras."
    (algo muito sensato esta análise dele ao contrário desta matéria cheia de ódio contra os 4 cardeais)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Graças a Deus há mais cores do que o preto e o branco, e mais casamentos nulos do que imaginamos....

      Excluir
  19. "Quem não tiver pecado atire a primeira pedra" "Eu não vim salvar o justo, mas o pecador" Quero misericórdia e não o sacrifício". Lamento que dentro do ano da misericórdia tem alguém para ser envolvido pela misericórdia do pai são estes 4 cardeais. "Pai perdoa-lhes porque não sabem o que fazem". Quero afirmar que o papa Francisco sob a luz do Espirito tem agido com sabedoria e segundo o Coração de Cristo. Ele vive essa passagem: "Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração". Nem Jesus agradou a todos.

    ResponderExcluir
  20. João 8 23-24 " E dizia-lhe: Vós sois de baixo, eu sou de cima, vós sois deste mundo, eu não sou deste mundo. Por isso vos disse que morrereis em vossos pecados, porque se não crerdes que eu sou, morrereis em vossos pecados"

    ResponderExcluir
  21. Discordo completamente da seu texto, e vou além; com ele você faz com que muitos comecem a odiar esses cardeais. Se você parou para ler as reportagens e as indagações desses eleitos pelo Espírito Santo, eles estão com dúvidas sobre questões de ordem do que já foi explicitado na igreja pelo São João Paulo II. Aprendam que a Igreja não veio pra falar o que querem ouvir, como fazem os protestantes, mas para falar a verdade, mesmo que essa doa. Pesquise mais e veja os pontos que eles tocam e o quão é importante para a Igreja, dentro da sua Doutrina as questões. Não vamos nos deixar cair no relativismo, mas ao contrário, ouvir e atender aos apelos dos eleitos (cardeais e o Santo Padre Francisco)

    ResponderExcluir
  22. Quem escreveu este artigo? Os Cardeais estão no direito de questionar algo que não está claro. E isso já foi publicado respeitosamente pela mídia católica. Mas o que vejo aqui é uma indignação desnecessária e uma tremenda desinformação, com o fim explícito de semear o ódio entre os fiéis. Isso é de uma tremenda maldade. O título do artigo parece manchete da mídia secular, de tão pobre e podre.

    ResponderExcluir
  23. Vocês deviam rezar ao invés de julgar esses homens sérios. Nada contra Francisco tudo que ele quer é encher a igreja e voltar o povo excluído. Mas, ele não imagina o que faz com o futuro do povo... quem sou eu pra bater de frente com ele, mas também não vou ficar de bajulação nem idolatria com as ações de Francisco. Todos são livres e podem discordar do que quiser. Só Jesus tem palavras de vida eterna

    ResponderExcluir
  24. Chega a ser hilária essa "misericórdia" da teologia da libertação. Se é misericordioso quando é conveniente. Quanto mais o papa Francisco relativizar a doutrina, mais as igrejas ficarão vazias. Basta ver o estado das igrejas luteranas e anglicanas que aceitam abertamente homossexualismo, ordenação de mulheres e outras aberrações, estão à beira da extinção. O número de católicos com esse papa só está diminuindo.

    ResponderExcluir
  25. Esse Papa é comunista e os Cardeais são cristãos verdadeiros

    ResponderExcluir