Sindrome do bom Samaritano desencatado e desiludido... (Cf. A. Pallaoro)

Os sonhos verdadeiros nunca terminam...
Um conjunto de sintomas (desânimo, cansaço, frustração, ativismo, irritabilidade, estresse...) se fazem presentes, cada vez mais, entre os que se dedicam a cuidar dos outros e, entre eles, estão os profissionais da saúde, educadores, sacerdotes, consagrados, voluntários, militantes e líderes de comunidades cristãs, sintomas causados pela sobrecarga de atividades repetitivas e desprovidas de inspiração, num ritmo burocrático e sem o exercício da avaliação das mesmas.

A grande maioria desses “cuidadores” procura viver sua vida com sentido de humanidade profunda, mas experimentam sérias dificuldades pela pressão advinda da quantidade de atividades que se vêm obrigados a fazer e da diversidade de frentes nas quais investem suas energias e talentos...  Como a harmonização de tudo isso parece impossível, eles se vêem afetados pela desilusão, culpabilidade e desconfiança da possibilidade real de viver a fé cristã. De vez em quando, procuram fazer “experiências” pontuais que os reanimam (“carregar as baterias”), mas no final a realidade é muito teimosa e acaba impondo sua lógica e ritmo desumano.

Também somos contaminados pela cultura do imediatismo e do ativismo, vítimas da competitividade que nos é imposta e que nos exige desumanamente. Desse modo, a vontade de ajudar e de servir ficam soterrados pelo esgotamento do dia-a-dia.

Há uma doença terrível e mortal que nos afeta a todos: a “compulsão do fazer; somos definidos pela “produção” e a identidade é engolida pela “função”. E isto se tornou tão enraizado que, quando alguém nos pergunta “quem somos”, respondemos imediatamente pelo “que fazemos”.

Estamos mergulhados na cultura de resultados e a existência se faz maquinal e rotineira; já não encontramos mais tempo para desfrutar das atividades mais simples e humanas. Somos invadidos por ruídos, atropelos, ansiedade, resultados imediatos e vivências superficiais. Vivemos experiências rápidas, amontoadas, sem possibilidade de avaliação e assim perdemos a história pessoal e comunitária. Com isso, o “modo de viver” torna-se rotineiro e carregado de desencanto; tornamo-nos medíocres e nos acomodamos na passividade.

Nossas ações e trabalho se esvaziam e se tornam “insensatos” (sem sentido, sem inspiração e sem motivação: “para quê?” “para quem?...”); fazemos coisas que não faríamos se pudéssemos tomar distância e discernir. Tudo isso nos faz viver à margem de nós mesmos, na superficialidade sem captar o “mistério” escondido em nós, nos outros e nas criaturas.

Tal situação provoca o enfraquecimento da mística e do entusiasmo que anima permanentemente o cristão, fogo interior que permite manter a paz e a serenidade nos conflitos e nos fracassos.

É nessa realidade diária familiar e profissional que somos chamados a viver em comunhão com Deus e entrar na dinâmica do Espírito Criador, que nos leva a transformar as situações de morte em vida, como fez Jesus.

O cristão é chamado a viver esta mística do amor, da forma como Jesus viveu. Todos os “cuidadores” precisam chegar à conclusão de que não podem ser o centro, mas os provocadores de mudanças sem se afogar pelas preocupações e ansiedades.

É preciso ritmar a vida com períodos de calma, silêncio, oração e avaliação. Do contrário, vão se desgastar e desistir. É neste contexto dramático e perigoso que devemos situar a dimensão e o lugar da espiritualidade, fonte primordial de inspiração e de sentido evangélico de nossa ação.

A espiritualidade é a contra-corrente do ativismo. Se, de um lado, o ativismo nos arrasta para a repetição e a conservação, de outro lado, a espiritualidade nos impulsiona para a busca, a criatividade, a ação discernida visando o “maior e melhor serviço”.

A espiritualidade abraça tudo, dá sentido a cada ação e a cada gesto, pois nada do que é humano lhe é estranho. A realidade cotidiana é o “lugar” onde somos chamados a viver a espiritualidade cristã e a deixar-nos conduzir pelo mesmo Espírito que animou Jesus e o levou assumir o risco do compromisso.

A espiritualidade reacende desejos e sonhos, desperta energias em direção ao “mais”; faz descobrir a presença amorosa do Deus Pai-Mãe. A Espiritualidade nos faz ser criativos e ousados em tudo o que fazemos e dá sentido e inspiração a cada ação humana, por mais simples que seja.

dimensão espiritual se revela no diálogo consigo mesmo e com o próprio coração e se traduz pelo amor, compaixão e escuta do outro. Espiritualidade significa viver segundo a dinâmica profunda da vida, pois defende sempre esta, contra os mecanismos de morte.
Uma pergunta: Você conhece algum "bom samaritano" desencantado e desiludido?

12 comentários:

  1. Realmente este seu texto nos faz tomar consciencia que devemos evitar os excessos. Fazer com amor e paz o bem ,ter tempo para momentos de oração e outras atividades na dimensao do amor é sabedoria . Mergulhar sempre dentro de si chegando a nosso esencia é fundamental.Obrigada muneide

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, pe. Ramón! Suas palavras são como uma bússola que nos aponta o Norte!

    ResponderExcluir
  3. Mais até do que conhecer é me reconhecer ... ao terminar esta reflexão, peço a graça de buscar sempre ESPIRITUALIDADE em seu real sentido! Amém!!!

    ResponderExcluir
  4. Que texto inspirador! Realmente, se não houver espiritualidade, podemos cair num vazio e levar a vida sem nenhum sentido.

    ResponderExcluir
  5. excelente texto Pe. Ramón. Obrigada pelo alerta
    marlene

    ResponderExcluir
  6. Amei o seu texto ele sinaliza que o ser humano não tem apenas que fazer coisas(externo)– o corpo – devemos cuidar. Possuimos interioridade – a psiquê – cujas energias devemos integrar. Por fim, possuimos também o espírito – que devemos cultivar. Aqui se esconde o mistério, humano e divino. Daqui brota a espiritualidade que, cultivada, dá um sentido radical à vida para além desta vida e produz serenidade e paz.Grata!Sandra Márcia

    ResponderExcluir
  7. Ei amigo,
    Seu texto nos faz refletir sobre o trabalho da missão. Profundo, nos faz questionar a ação.
    Obrigado,
    Fernando

    ResponderExcluir
  8. Ficou claro qual o caminho a tomar.
    Ando muito empolgado por esses dias com a ideia de praticar a difusao buscando com afinco os exemplos que conquistaram os melhores resultados.
    O que se percebe que os que alcancam os objetivos certos, no plano da espiritualidade fazem diferente dos demais?
    Isso me interessa e quero aprender mais

    ResponderExcluir
  9. Olá Pe.Ramon, andei com minha vida pessoal e pastoral acelerada e alguns meses atrás senti a necessidade de buscar a espiritualidade, com isso percebi que fiquei mais centrada e melhorei muito. Depois que li seu texto percebi o quanto precisava mesmo mergulhar dentro de mim mesma.
    Abraçosssssssss

    ResponderExcluir
  10. Texto realmente inspirador! realmente

    ResponderExcluir