20. Somos Igreja?...

Quando penso que cheguei ao limite descubro forças para ir além...
Eis o testemunho de um jesuíta: Minha mãe, Mercedes, fará 99 anos. Para a sua idade está muito bem: Caminha por si mesma, cozinha, limpa a casa, conversa muito… Lembra-se de quando os filhos eram pequenos, mas frequentemente não se recorda de ter tomado os remédios da manhã... Está um pouco tonta e lhe custa reconhecer isto...

Minha irmã, enfermeira, disse-lhe que a surdez aumentara devido ao acúmulo de cera nos ouvidos. Mamãe insiste que está ouvindo muito bem e que não necessita de nenhum tipo de tratamento… Ela gosta de cozinhar, mas se recusava terminantemente a ter um forno de micro-ondas... Hoje em dia, reconhece o quão útil lhe tem sido o tal micro-ondas...

Sua televisão estava velha e não queria outra... Nós a desobedecemos e lhe compramos uma colorida, apesar dos seus resmungos... Hoje, agradecida, desfruta alegremente dela. Nós, seus filhos, a queremos e a amamos muito. Mas, mesmo gostando tanto assim, há momentos que precisamos cuidá-la e forçá-la um pouquinho, com habilidade e carinho...

E com a Igreja acontece algo parecido. Eu a amo e admiro, mas não posso concordar com a sua “surdez”, “cegueira” e desprezo pelas "coisas  modernas"... Com habilidade e carinho podemos ajudá-la!

O Pe. Pedro Arrupe, antigo Superior Geral da Companhia de Jesus, dizia a uns jovens que queriam ser jesuítas: Não venha até nós se você ama a Igreja como a uma madrasta e não como mãe; não venha se pensa que com isto irá fazer um favor à Companhia de Jesus. Mas, venha se o serviço a Cristo é o centro da sua vida; se você tem costas largas e um coração maior que o mundo... Isto também serve para todos!

A história da Igreja está marcada por luzes e sombras, mas depende de você destacar mais umas ou outras. A Igreja é santa e pecadora, mas sem ela ficaríamos órfãos e o mundo seria pior e menos democrático.

Uma pergunta: Você ama a Igreja como mãe ou apenas como governanta? 

0 comentários:

Postar um comentário