A solidão não faz bem...

Eu sou o horizonte dessas desgraças...

Vivemos numa época marcada por grandes mudanças de alcance global que impactam não só culturas e economias, mas também à família e à própria Igreja. Esta mudança em constante ebulição se define como pós-moderna, pós-cristã e até pós-humana. É uma crise colossal desprovida de valores e sentido. Dinheiro e prazer, diversão e ócio são os maiores anseios de muitos. A palavra “compromisso” se fez rara e deu lugar a outras formas de ser e conviver.

Num mundo tão diverso e egocêntrico não conseguimos conviver facilmente com os outros. O viver juntos, com o passar do tempo, virou desventura. Cansamos das coisas e das pessoas e buscamos, sem pudor, alternativas passageiras. O descartável começou a fazer parte da nossa vida! Tudo dura pouco. A busca do prazeroso deixou de lado valores tradicionais, valendo agora apenas o possível e o passageiro.

Pouco valor damos às palavras e aos gestos, e a verdade, faz tempo, sumiu dos relacionamentos de muitos. Mas, se tudo é relativo nada é importante e significativo. Contudo, o que fazemos têm consequências pessoais e sociais. Esta convivência humana plural e complicada invadiu de drogas e fármacos o nosso viver. O resultado é uma imensa solidão compartilhada nos relacionamentos virtuais.

Conviver não é fácil, mas é o único modo de sentir o que somos... 

Uma pergunta: Como você se sente no meio das pessoas?

6 comentários:

  1. Eu estou fazendo parte dessa solidão...

    ResponderExcluir
  2. Renata Lagrotta Franco26 de março de 2014 16:44

    Não à toa, o polonês Bauhman cunhou a expressão "tempos líquidos" para definir a falta de solidez no amor, nas relações e na vida moderna... Vejo essa realidade como a chance (e desafio!) de revelar a face terna de Deus ao mundo!

    ResponderExcluir
  3. Não me sinto mal no meio das pessoas; gosto de estar com gente, de conversar e ouvir o outro!

    ResponderExcluir
  4. Hoje vejo lugares cheios de pessoas vazias...

    ResponderExcluir
  5. Depende de quem são as pessoas... Há as que sugam, irritam, empobrecem, fragilizam... Há as que conseguem ser estruturantes, confirmadoras e consoladoras.
    Amo descaradamente a solidão, sim. Quando se trata de saboreá-la, não perco uma! Mas, definitivamente, não poderia dar-me ao luxo de viver o tipo de vida que vivo sem meus amigos. Um punhadinho de gente que faz toda a diferença. Confirmam, acompanham, somam, consolam!
    Agora, convivência fácil? Longe disso!... Como comunidade, os confrontos e discordâncias são o pão nosso de cada dia, rsrs... Porém não nos é tão difícil assim superar: O apreço que temos pela companhia uns dos outros nos torna tolerantes. Idem a consciência de que, talvez, não suportássemos o caminho sem o conforto da relação nos une. E, sobretudo, somos sustentados pela constatação de que o que nos une - se é de Deus - é eterno.
    Nos não fizemos isso, não foi fruto de nossa vontade. Foi uma Graça que, em certo momento da caminhada, percebemos que havíamos recebido: estávamos unidos para sempre por aquilo que chamamos de "mesmo DNA espiritual".
    Convidar a eternidade do amor de Deus a fazer parte dos vínculos mais preciosos. Confiar uns nos outros a tal ponto que o desentendimento não nos faça recuar e ser defensivos... Esse é o caminho que nos foi oferecido para escaparmos da dissolução de todas as coisas destes tempos pós-modernos...

    ResponderExcluir
  6. eu não estou na solidão pois tenho pai e mãe

    ResponderExcluir