Exorcismos no "Fantástico"... (Cf. F. Altemeyer Jr)

De holofotes, só mesmo o capeta é que gosta...
Durante os vinte e oito anos do governo pastoral de Dom Paulo Evaristo Arns, hoje arcebispo emérito, houve um só padre com mandato: Frei Gilberto da Silva Gorgulho, frade dominicano (recentemente falecido). Mas sempre houve padres que se diziam exorcistas. Eu mesmo conheci dois: Um no Belenzinho (padre Miguel) e outro no bairro do Tatuapé (padre verbita alemão). Ainda havia outros ao redor da cidade de São Paulo fazendo as coisas no paralelo. O curioso é que estes e os atuais não seguem o ritual tal qual manda a igreja e muitas vezes não tem os requisitos para exercer tal função. É mais para aparecer na televisão do que para enfrentar o mal e ajudar terapeuticamente as pessoas.

Do ritual da Igreja Católica: quem vai exercer o ministério de exorcista, não transforme a celebração em espetáculo, proíbe a divulgação dos meios de comunicação e exorta a consultar peritos em ciências médica e psiquiátrica que tenham senso das coisas espirituais (Ritual de Exorcismos p.6).

E na página 17: o ministério de exorcizar os atormentados é concedido por peculiar e expressa licença do Ordinário local que, normalmente, será o Bispo diocesano (CIC canon 1172). Essa licença só deve ser concedida a um sacerdote que se distinga pela piedade, ciência, prudência e integridade de vida e especificamente preparado para esta função.

O que foi mostrado no programa da TV Globo é característico de histeria coletiva! Parecia ser mais sugestão dos clérigos em suas igrejas ou templos, transformados em espetáculo. Em vez de ajudar criaram mais doentes e doenças. Não houve nenhum exorcismo. Foi só espetáculo. Nos dois casos mais longos permitiu-se inclusive imagens da televisão o que é terminantemente proibido.

Resumindo: nenhum dos sacerdotes citados seguiu nenhuma norma do ritual que dizem conhecer e até ter feito curso em Roma. Os padres não pediram avaliações prévias de peritos. Um deles usou uma língua estranha. Isto é muito estranho. Que os bispos permitam isto é mais estranho ainda. Seria bom que agora se pronunciassem depois que o caldo entornou. Lembro que não é preciso fazer curso nenhum no Vaticano para este ministério. O que precisa é bom senso e vida de fé profunda. Não me pareceu que os padres Lauro e Vanilson sejam doutores em Teologia. Será que fizeram teologia? Quanto ao sacerdote do Rio de Janeiro chegou a divulgar o diário da mulher que se disse possuída, o que rigorosamente proibido. Rompeu com o sigilo. Tudo se transformou em um verdadeiro circo.

O patético ficou por conta de um borrifador de água benta para plantas: virou superstição em torno dos chamados objetos necessários para o exorcismo. Tornou-se paganismo barato. Fizeram parecer necessário tudo o que o ritual pede que se evite. A matéria foi popular. Já a catequese foi péssima e prestou um desserviço à evangelização e à lucidez teológica. Voltamos ao menos cem anos atrás. Um diálogo de surdos fazendo psicólogos e psiquiatras ficarem do outro lado quando o ritual é explícito em dizer que eles/elas são os primeiros a serem consultados e não os últimos nem os concorrentes. Nada deve ser feito antes de médicos, psiquiatras e cientistas das áreas humanas se pronunciarem.

Como o povo anda doente da mente nas metrópoles com tantas violências e pressão, certamente irá crescer a demanda e os padres que gostam de aparecer terão nisto um prato cheio. Deus nos proteja. Não podemos cair no grave erro do satanismo, que vê a presença do Maligno em toda parte e submete as pessoas à psicose do medo irracional. Sabemos que o Maligno existe, mas livrá-las do Mal é tarefa de todos e não de alguns e é algo muito santo e profundo, não um show.

Agora todo mundo vai correr atrás do kit anti-capeta em lugar de orar mais, buscar ser irmão e ler a Palavra de Deus. Caímos no paganismo vulgar. O Catecismo da Igreja Católica nos ensina o que devemos proceder com prudência e distinguir antes da celebração de qualquer exorcismo, se ele é de fato maligno ou uma doença.

O que é o mais importante na liturgia terapêutica da Igreja é que o rito do exorcismo manifeste a fé da Igreja e ninguém possa considerá-lo uma ação mágica ou supersticiosa. O que não podia é que foi mostrado e "vendido" para todos no Fantástico. Foi um fantástico show de superstição e estrelismos. A prudência dos padres foi zero e a discrição pior que zero. Enquanto se faz o exorcismo, DE FORMA ALGUMA se dê espaço a QUALQUER meio de comunicação social e até, antes de fazer o exorcismo e depois de feito, o exorcista e os presentes não divulguem a notícia, observando a necessária discrição... (p.19)

E na pagina 21: Se for possível, o exorcismo seja feito num oratório ou em outro lugar adequado, separado da multidão... 

Pergunto: Foi propaganda para que haja mais espetáculo?

11 comentários:

  1. Infelizmente temo que o espetáculo seja um dos grandes males da nossa sociedade, Pe Ramón. Fazemos de tudo para aparecer e ganhar os holofotes, se for em cima da super exposição da nossa dor ou da dor do outro, tanto melhor. É difícil saber como sair de tudo isso, como não virar só mais um boneco no circo de horrores, se nem nossa espiritualidade está mais a salvo.

    ResponderExcluir
  2. Corajoso e oportuno esclarecimento...

    ResponderExcluir
  3. Parabéns por sua manifestação corajosa Padre! Jesus é zeloso pela Casa do Pai e os herdeiros em Cristo também devem zelar por sua obra. Uma situação dessas, além de deturpar, expõe a Igreja ao ridículo. Um show deprimente utilizando-se da fraqueza do ser humano. Transformar a fé em espetáculo é inadmissível, em qualquer ritual. Respeito ao Sagrado. Abraço, Margareth

    ResponderExcluir
  4. Muito oportuno seu comentário. Esse tipo de ação, promovido pelos religiosos em questão não ajudam em nada a promoção da pessoa segundo o Rino de Deus.

    ResponderExcluir
  5. Muito oportuna sua manifestação. A atitude dos religiosos em questão não colabora em nada com a promoção das pessoas segundo os critérios de Jesus. Uma questão: os bispos dessas dioceses sabem do que seus religiosos fazem? Se sabem concordam?

    ResponderExcluir
  6. Evidente Pe. Ramón. Continuamos vivendo o famoso "pão e circo". São ministros como estes e os respectivos superiores que propagam o paganismo e depois ainda se dizem preocupados pelas igrejas que estão se esvaziando! O cristão que tem fé, que busca caminhar nos passos de Jesus sofre ao se deparar com tamanha insanidade. O que vejo são ministros desesperados para encher suas "igrejas" e ao perceberem que não têm capacidade para exercer o ministério, buscam imitações grotescas de pessoas irresponsáveis que jogam com o sentimento e uma religiosidade fantasiosa de pessoas que buscam uma "varinha mágica" para resolver suas dificuldades. Não quero dizer com isso que não acredito no maligno e na sua ação nas pessoas, mas sim que não acredito em pessoas que tem como objetivo a busca do poder e da dominação. É destas pessoas que devemos clamar: Protege-nos Senhor!

    ResponderExcluir
  7. Por que os ateus não têm esses problemas?

    ResponderExcluir
  8. Maria Terezinha Moreira b30 de julho de 2014 09:50

    Meu Deus...abençoadas explicações...assistindo ao "shou" no fantástico...fiquei me perguntando...Será mesmo que isso é permitido ou aceito pela igreja!? Desde então pensei em buscar esclarecimento inclusive no catecismo da igreja católica...e hoje sem querer...esse querido e abençoado padre Eutrópio Aécio...postou esse link esclarecedor...obrigada padre...

    ResponderExcluir
  9. Excelente e esclarecedor... Isso, sim, é Fantástico!

    ResponderExcluir
  10. Para quem assistiu ou não a reportagem sensacionalista sobre exorcismo no Fantástico. Felizmente um artigo maduro, consciente e crítico sobre o que foi mostrado...

    ResponderExcluir
  11. Tantos problemas mais importantes para serem discutidos, como a questão ecológica, a falta d'agua, exclusão social, entre outros temas, e nossos padres alimentando e reforçando a mentalidade negativista de nosso povo. Vamos deixar de incomodar o demônio, deixe-o em paz coitado!

    ResponderExcluir