Meu pai é pedófilo...

Por onde eu passo vou deixando pedaçõs de mim...

Meu pai é pedófilo!... Foi o que ela me disse sem olhar para os meus olhos. Palavras frias, cortantes que me chegaram como gelo. Ele teve um filho com a minha irmã... Comigo não, pois era muito pequena... Ela falava como alguém que já tinha verbalizado isso muitas vezes ao terapeuta, para tirar a dor, o desencanto e o trauma. Discretamente olhei para seus olhos e os vi lacrimejar. Tinham-se passado já muitos anos, talvez até 50.

A pessoa que falava comigo era uma mulher bonita, sorridente, solteira, aposentada e de bem com a vida; pessoa aparentemente não piedosa, mas profundamente religiosa. A vida me aproximou de Deus!

Aos 12 anos fui abandonada na rua... Meu Deus, como é possível? - pensei estremecido. Nada perguntei, respeitando o mistério e a dor... Comi o pão que o diabo amassou, mas sempre senti que Deus estava comigo... Muitas vezes fui usada e abusada! Estudei, me formei e sai daquela miséria... Sorriu, como se sentindo vencedora do mal que vivenciara. Tudo ficara distante no tempo, mas parecia como se fosse ontem o que experimentara.

O tempo cicatriza todas as feridas, mas não apaga os sentimentos. Só o amor de Deus os cura... 

Na pedofilia há sempre duas vítimas: a criança e o adulto. Eu escutara apenas uma...

O que fazer?



Um comentário:

  1. Renata Lagrotta Franco26 de maio de 2015 13:41

    É corajosa a atitude de reconhecer (e acolher) o pedófilo ou abusador, também, como vítima. Há um incrível preconceito por parte dos próprios psicólogos, que se recusam a atender um pedófilo que busca ajuda, rotulando-o como portador de uma "doença sem cura". Infelizmente, existem pouquíssimos centros, no mundo, que oferecem tratamento para a pedofilia, como os ambulatórios no ABC paulista e Hospital das Clínicas. Talvez, um dado nos ajude a olhar para essas pessoas com um olhar diferente: a imensa maioria dos pedófilos foram crianças abusadas um dia...

    ResponderExcluir