Querida irmã...

O Papa Francisco recebeu, no início de maio, a arcebispa luterana de Uppsala/Suécia e falaram do diálogo entre os cristãos das diferentes igrejas: Eles não devem ser considerados adversários ou concorrentes, mas reconhecidos por aquilo que são: irmãos e irmãs na fé... disse o Papa. Saudou a líder da igreja luterana na Suécia como “querida irmã”.

O Papa, ao acolher uma mulher ordenada e que apoia o casamento de pessoas do mesmo sexo na igreja, está a dar um sinal de abertura à admissão de mulheres ao sacramento da ordem e dos homossexuais ao sacramento do matrimônio, bem como à revisão da abordagem católica da família e da sexualidade.


E você o que acha desse encontro?


4 comentários:

  1. Adimitir para o sacramento da Ordem tudo bem, ate acho necessaio, mas o casamento de
    homosessuais ai nao.

    ResponderExcluir
  2. Sinal de Deus. Simplesmente Maravilhoso!

    ResponderExcluir
  3. Renata Lagrotta Franco17 de maio de 2015 16:30

    Uma das grandes marcas do Papa Francisco tem sido a acolhida amorosa e irrestrita! Daí, a acolher bandeiras e lutas, há uma grande distância. Há poucas semanas, o Papa rejeitou o diplomata indicado pela França para o Vaticano, o Sr. Laurent Stéfanini, homossexual assumido...

    ResponderExcluir
  4. Com tanta simplicidade e humildade o Papa Francisco abre a cada dia uma janela de dialogo com inter-religioso, ecumênico ou de outra natureza. Só me espanta como antes nenhum outro papa enxergou essas janelas fechadas.

    ResponderExcluir