Um Menino é a resposta de Deus às nossas perguntas... (Cf. Pe. A. Palaoro SJ)

Encontrareis um recém-nascido envolvido em faixas e deitado numa manjedoura (Lc 2,12)



Estamos em um tempo que nos fala do essencial: um Deus que se faz carne, o divino que se faz humano. O eterno se estremece diante do que é terno, e o infinito abraça amorosamente a nossa fragilidade. Deus que se humaniza para que nos humanizemos.

A Misericórdia se fez ternura, e na fragilidade de uma criança se esconde e se revela a grandeza divina. É a doçura de Deus que salva.

No rosto de uma criança se faz visível a Misericórdia que desce sempre mais abaixo. Deus se aproximou de nós; se fez um de nós. Não veio como imperador poderoso nem como sumo-sacerdote ou grande filósofo. E a única explicação desta “descida” de Deus é seu “amor compassivo”. Ele mergulhou na nossa fragilidade fazendo-se criança pobre, nascida na periferia das nações. 

E esta fragilidade ativa em nós a atitude da expectativa, da novidade e do assombro...

O Natal é ternura que ilumina a história humana. Nosso olhar de assombro, no interior da Gruta de Belém, a mente se abre e começamos a considerar infinitas possibilidades para ser e conviver.

Natal é o tempo para acolher com ternura o que é germina, e o que nasce também nos movimentos sociais e humanitários alternativos. Tudo de bom é possível!

Ao entrar na gruta e contemplar o Menino-Deus, conectamos com o mais profundo do coração humano, carregado de compaixão e generosidade. A bondade humana é faísca que acende outros fogos, pode se atrofiar, mas jamais se apagar.

O Nascimento de Jesus é um atrevimento, uma verdadeira ousadia, uma surpresa inimaginável. O Natal é a manifestação do impossível que se faz possível no coração de Deus.

Feliz Natal!


0 comentários:

Postar um comentário