Meu cordão umbilical...


Primeiro uma premissa: Os problemas de família envolvem diversas pessoas.

Contudo, a família é nosso primeiro meio social, onde construímos positiva ou negativamente nossos primeiros relacionamentos. Isso é muito importante, pois ficamos marcados por eles. Esses vínculos primários e necessários podem acabar sendo um pesadelo no desenvolvimento de alguns. Há pessoas que nunca romperam seu cordão umbilical!

Conheço famílias disfuncionais, onde os papeis foram trocados. O filho assumiu a posição de ‘chefe da casa’, após a separação conturbada dos pais; a mãe virou dependente totalmente dele... Outro virou saco de pancada nos processos de reconciliação ou da separação do casal... Ou aquela filha que virou 'mãe da mãe' e arca com as despesas financeiras da casa... Ou aquele moço que dormia na cama da mãe quando o pai estava ausente... Não são coisas pontuais, mais frequentes e desgastantes com responsabilidades invertidas e corrompidas.

Há pessoas que não conseguem romper esse elo afetivo, e provavelmente retro-alimentado por ambas as partes. O amor verdadeiro responsabiliza as pessoas e tem limites.

A ruptura do cordão umbilical é um processo e deve colocar cada pessoa no seu espaço correspondente. O cordão umbilical foi rompido por outros, mas durante a vida nós mesmos precisamos fazê-lo... 

Você conhece pessoas assim?



0 comentários:

Postar um comentário