O Brasil tem 30 novos Santos: Papa canoniza mártires de Cunhaú e Uruaçu...


A Igreja tem 35 novos Santos, e entre eles, 30 brasileiros. O Papa Francisco canonizou, domingo dia 15/OUT, os 30 mártires de Cunhaú e Uruaçu, martirizados em 1645 no Rio Grande do Norte. Também foram canonizados 3 jovens, Protomártires do México (primeiros mártires do continente americano), um sacerdote espanhol Faustino Míguez, fundador do Instituto Calasanzio, Filhas da Divina Pastora, e o Frade Capuchinho italiano Angelo d’Acri.
o em seu navegador.</div></div>
Após ser cantado o Veni Creator, o Prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, Cardeal Angelo Amato, pediu ao Santo Padre para que se procedesse à canonização dos Beatos, com a leitura de seus nomes.

A seguir, foi lida uma breve biografia dos novos Santos e entoada a Ladainha de todos os Santos, pedindo que por meio da Virgem Maria e de todos os Santos seja sustentado o ato que está para ser cumprido. Por fim, o Santo Padre leu a fórmula de canonização.

Se se perde o amor de vista, “a vida cristã torna-se estéril, torna-se um corpo sem alma, uma moral impossível, um conjunto de princípios e leis a serem respeitadas sem um porquê”.

O Reino de Deus é comparável a uma Festa de Núpcias. Nós, “somos os amados, os convidados” para estas núpcias, mas “o convite pode ser recusado”.
O protagonista da festa de núpcias “é o filho do rei, o noivo, no qual facilmente se vislumbra Jesus”. Na parábola, não se fala da noiva, mas de muitos convidados, desejados e esperados: são aqueles que trazem as vestes nupciais. O Senhor quer uma verdadeira comunhão de vida conosco, uma relação feita de diálogo, confiança e amor.

O Papa alerta para o perigo “de uma vida cristã rotineira, onde nos contentamos com a «normalidade», sem zelo nem entusiasmo e com a memória curta”. Somos chamados a reavivar a memória do primeiro amor.

Mas este convite pode ser recusado. O Evangelho relata que muitos convidados disseram não, pois estavam presos aos próprios interesses, ao seu campo, ao seu negócio... Deus é o oposto do egoísmo, da autorreferencialidade.


As vestes indispensáveis dos convidados. Não basta responder ao convite dizendo sim e basta, mas é preciso vestir o hábito do amor vivido cada dia, como os mártires que hoje foram canonizados...

Somos uma igreja madura de discípulos e testemunhas...



0 comentários:

Postar um comentário