O lamento da flauta... (Rumí, 1207-1273)


Escuta a flauta de bambu, como se queixa,
lamentando seu desterro:
Desde que me separaram de minha raiz,
minhas notas queixosas arrancam lágrimas de homens e mulheres. 

Meu peito se rompe, lutando para libertar meus suspiros, e expressar os acessos de saudade de meu lugar. Aquele que mora longe de sua casa
está sempre ansiando pelo dia em que há de voltar. Ouve-se meu lamento por toda a gente, em harmonia com os que se alegram e os que choram.


Cada um interpreta minhas notas de acordo com seus sentimentos
Mas ninguém penetra os segredos do meu coração.
Meus segredos não destoam de minhas notas queixosas,
e no entanto não se manifestam ao ouvido sensual (...).

O lamento da flauta é fogo, e não puro ar.
Que aquele que carece desse fogo seja tido como morto!


É o fogo do amor que inspira a flauta,
é o amor que fermenta o vinho.

A flauta é confidente dos amantes infelizes;
Sim, sua melodia desnuda meus segredos mais íntimos...
” 

O lamento da flauta é a do ser humano separado da sua Fonte Primordial: Deus. 
De onde viemos? Para onde vamos? Qual o sentido da vida sem amor?



0 comentários:

Postar um comentário