Vida e morte de um povo...


Mianmar (antiga Birmânia), 55 milhões de hab., é uma nação do sudeste asiático com mais de 100 grupos étnicos, e que faz fronteira com a Índia, Bangladesh, China, Laos e Tailândia. Rangum, 5 milhões de hab., maior cidade do país, com vários parques e lagos é um centro comercial e religioso importante. Contudo, Naipidau capital do país, contém a imponente pagode dourada com quase 100 m. de altura, do século V.


 

A ir. Ann Rose Nu Tawngdiante de uma tropa militar pedindo de joelhos para não disparar sobre a multidão. Essa foto girou o mundo. Lembro que um mês atrás,  FEV/2020, um golpe militar derrubou a fraca democracia que o país vivia, e querem voltar aos tempos da junta militar que dominou com punho de ferro o país (1962 a 2011). A presidenta e o seu governo foram destituídos e presos.


O povo protestou e continua protestando. Universitários, monges budistas pessoal de saúde, professores, bancos, portuários entraram em greve... E a economia entrou em crise.


Padres, seminaristas, freiras católicas... também monjes e monjas budistas também protestaram. O cardeal Charles Maung Bo, presidente da conferência episcopal do pais denunciou os abusos e mortes acontecidos. A resposta dos militares é sempre a mesma: Violência. 


Às vezes penso que caminhamos para algo parecido. Bolsonaro já inundou de militares os diversos ministérios do país... O autoritarismo não pode vencer!


Rezemos e acompanhemos, para não cairmos em algo parecido...

 

0 comentários:

Postar um comentário