Lembrando o Documento sobre a Fraternidade Humana, assinado em Abu Dhabi em FEV/2019...

 


Seria aconselhável que os numerosos seguidores deste documento voltassem a falar sobre o que repetidamente elogiaram nestes dois anos. Eis alguns trechos do documento que ninguém pode ignorar em momentos como os vividos nesta semana em Afeganistão:

 
1) Deixar de usar o nome de Deus para justificar atos de assassinato, exílio, terrorismo e opressão. Nós também declaramos - com firmeza - que as religiões nunca incitam a guerra e não solicitam sentimentos de ódio, hostilidade, extremismo, nem convidam à violência ou ao derramamento de sangue. Esses desastres são o resultado do desvio dos ensinamentos religiosos, do uso político das religiões e também das interpretações de grupos de religiosos que abusaram - em algumas fases da história - da influência do sentimento religioso no coração dos homens para alcançar fins políticos e econômicos mundanos e míopes. Por isso pedimos a todos que parem de explorar as religiões para incitar ao ódio, violência, extremismo e fanatismo cego e parem de usar o nome de Deus para justificar atos de assassinato, exílio, terrorismo e opressão. Deus não criou homens para serem mortos ou para se confrontarem e nem mesmo serem torturados ou humilhados em sua vida e em sua existência. Na verdade, Deus, o Todo-Poderoso, não precisa ser defendido por ninguém e não quer que Seu nome seja usado para aterrorizar as pessoas.


2) A dignidade da mulher e seus direitos sagrados. É imprescindível reconhecer o direito da mulher à educação, ao trabalho, ao exercício de seus direitos políticos. Além disso, devemos trabalhar para libertá-la de pressões históricas e sociais contrárias aos princípios da própria fé e dignidade. Também é necessário protegê-la da exploração sexual e de tratá-la como uma mercadoria ou meio de prazer ou ganho econômico. Para isso, todas as práticas desumanas e costumes vulgares que humilham a dignidade da mulher devem ser interrompidos, e trabalhar para mudar as leis que impedem as mulheres de gozar plenamente de seus direitos.

  
3) Difundir a cultura da tolerância, convivência e paz. Nós, crentes em Deus, no encontro final com Ele e no Seu Julgamento, partindo da nossa responsabilidade religiosa e moral, e através deste Documento, perguntamo-nos a nós próprios e aos líderes do mundo, os arquitectos da política internacional e da economia mundial, assumir o compromisso sério de difundir a cultura da tolerância, da convivência e da paz; intervir, o mais rápido possível, para impedir o derramamento de sangue inocente e acabar com as guerras, conflitos, degradação ambiental e declínio cultural e moral que o mundo atualmente experimenta. " 

4) Extremismo religioso e os sinais de uma terceira guerra mundial em pedaços. A história afirma que o extremismo religioso e a intolerância produziram no mundo, tanto no Ocidente como no Oriente, o que poderíamos chamar de sinais de uma «terceira guerra mundial em pedaços», sinais que, em várias partes do mundo e em várias condições trágicas, começaram a mostrar seu rosto cruel, situações das quais não se sabe exatamente quantas vítimas, viúvas e órfãos eles produziram. Além disso, há outras áreas que se preparam para ser palco de novos conflitos, onde surtos de tensão surgem e armas e munições se acumulam, em uma situação mundial dominada pela incerteza, decepção e medo do futuro e controlada por interesses econômicos míopes.

 

 

 

0 comentários:

Postar um comentário