5 - Reunião: Experiência como povo de Deus

Objetivo: Consciência de ser Igreja, Povo de Deus. 
Oração Inicial: Deus é amor. Arrisquemos viver por amor! Deus é amor. Ele afasta o medo.
Graça a pedir: Que o Senhor nos ilumine e fortifique o nosso agir cristão.  
Palavra da Escritura: 1 Cor 12, 12 – 26 (... assim como o corpo é um, e tem muitos membros...)
Como essa escritura se aplica na sua vida?
Refletir (15 minutos):
  1. Quando experimenta mais a sua pertença à Igreja?
  2. Como vê o seu papel na Igreja?
  3. Quais exemplos da Igreja que mais me emocionam?
Tema: Perfil da Igreja no ano 2020
Avaliação: 1. Como se sentiu na reunião de hoje? 2Alguma sugestão para melhorar?
Oração Final: Pai-Nosso

Texto: Perfil da Igreja no ano 2020 (Patrick O”Sullivan,SJ)
O perfil da Igreja no ano 2020 dependerá do perfil de nossa caminhada que nós, povo de Deus, fizermos agora. Todos temos uma caminhada interior e a podemos realizar ou não. Facilmente projetamos imagens que modelam e determinam nossa caminhada interior. Imagens, pensamentos que concretizam o nosso agir fazendo-o positivo ou negativo.

Acredito que existem alguns modelos básicos ou imagens de Deus e de Igreja. Três deles estão muito interligados e juntos formam um conjunto. Há dois conjuntos fundamentais: o conjunto Poder/Medo (capacidade de coagir e dominar) e o conjunto Amor/Vulnerabilidade (ser aberto e abdicando da própria capacidade de coagir e dominar).

a) Ponto de vista do Poder/Medo: A salvação tem a ver com o se manter sem pecado e salvar a própria alma. Adão e Eva tiveram sua chance e a perderam... Jesus veio para restaurar a ordem moral, aplacando assim a Deus que estava zangado. A redenção significa manter-se do lado certo de Deus, se não ele ficará zangado e me mandará para o inferno porque Deus é todo poderoso...
A imagem de Deus que se tem é a do Juiz. Deus nos premia se somos bons e pune se somos maus. Nessa visão a Igreja torna-se arca da salvação, como a de Noé. O mal está em toda parte, mas a Igreja guia todos com serenidade e paz. Esta arca nunca afundará; fique, portanto, à bordo, obedeça às regras e você será salvo.
b) Ponto de vista do Amor/ Vulnerabilidade: A salvação é um chamado para a intimidade com Deus, vivendo como filho e com os outros vivendo como irmãos e irmãs. Quando Deus criou Adão/Eva, havia uma grande intimidade entre eles. Adão/Eva foram criados à imagem e semelhança do próprio Deus. E havia uma grande intimidade entre Adão e Eva; estavam nus e não tinham vergonha. Mas eles pecaram, seus corações ficaram divididos e essa intimidade interrelacional ficou perdida. Adão e Eva se esconderam um do outro, puseram roupas, máscaras, para esconder a sua vulnerabilidade. Esta é a história da intimidade perdida.

Remir, salvar significa restaurar a intimidade perdida com Deus e com os outros. Jesus é nosso único salvador porque é Deus conosco. Sua morte na Cruz, por causa dos nossos pecados mostra como o Amor do Pai é vulnerável à sua criação. Quando o amor do Pai foi plenamente revelado, o que vimos foi um homem com o coração partido. A Ascensão de Jesus nos mostra que seu amor é incondicional e eterno. Dizer que estamos redimidos, pecados perdoados, é dizer que a Trindade em Jesus, oferece sua incondicionalmente vulnerabilidade para vir de encontro à nossa vulnerabilidade, de modo que possamos crescer em intimidade com Ele.

A imagem verdadeira de Deus é a de um Pai que nos ama com toda fidelidade, gentileza e vulnerabilidade que vemos no pai do filho pródigo. Deus nos amou quando ainda éramos pecadores. Quando somos pequenos, fracos e vulneráveis, o Pai nos mostra a vulnerabilidade do coração de Jesus.

A imagem primordial da Igreja é a de ser comunidade. Todos os cristãos, pelo batismo, tornam-se irmãos e irmãs de Cristo e filhos e filhas do Pai. Se somos cristãos e não vivemos como filhos/as e irmãos/ãs estamos negando a verdade básica do que somos e levando vidas inacreditáveis e falsas. Somos, pois, chamados a viver em comunidade e construí-la partilhando nossas próprias vulnerabilidades.

Assim, pois, quando a vulnerabilidade encontra com o poder, o resultado é a alienação e o medo; mas quando a vulnerabilidade encontra vulnerabilidade, o resultado é intimidade e comunidade!

Se escolhermos optar pelo conjunto poder/medo, nossa caminhada será de alienação; se escolhermos optar pelo conjunto amor/vulnerabilidade, nossa caminhada será a intimidade e a comunidade.

Caminhar para a intimidade é um negócio arriscado; é caminhar para a abertura e a liberdade. Quem vive na intimidade com o Senhor Jesus e com os irmãos e irmãs é capaz perceber as necessidades dos outros e se colocar a serviço. E eu penso que este é um excelente perfil para a Igreja do ano 2020.

Baseado neste artigo, o que você sente ser 3 ou 4 características básicas da CVX como associação de leigos na Igreja?

0 comentários:

Postar um comentário