A reforma da Igreja é um processo...


É mais fácil reformar por fora do que por dentro, e mexer com tijolos e cimento do que com pessoas. As pessoas são diferentes e carregam imperativos marcados pela vida ou a religião. Sem o dom do discernimento nos perdemos ou desanimamos.

A reforma profunda da Igreja está enraizada na reforma da vida de cada um. Esvaziar-se, não estar centrado em si mesmo, configurar-se sempre mais no Senhor. Estamos acostumados a projetos, programas, modelos a seguir, mas pouco seguimos as melhores moções e inclinações: a vontade de Deus na vida cotidiana. Temos medos de seguir e confiar só no Senhor!

Seguir o Espírito significa iniciar processos abertos e não cortar cabeças ou conquistar espaços de poder. Caminhante não há caminho, o caminho se faz ao andar!

É mais importante iniciar processos do que ocupar espaços, e viver uma constante dinâmica de discernimento, que nos abre ao futuro.

Não ter medo dos conflitos, que tantas vezes nos sacodem e assustam. Não há vida sem desafios. Como crescer na caridade sem harmonizar contradições? Desse modo seremos configurados como cristãos. 

A reforma da Igreja e das pessoas começa por dentro!

Você concorda com isso?


3 comentários:

  1. Concordo plenamente Pe. Rámon, por isso a importancia de uma catequese mais profunda, do exercício da fé constante e principalmete deixarmos Deus ser Deus. Abraço padre. Margareth

    ResponderExcluir
  2. Está aí algo nada fácil, porém necessário. Precisamos de um renovar de mentalidade, de uma transformação interior como Igreja, mas isso é impossível se não abrirmos nossas mentes e corações como indivíduos.

    ResponderExcluir