Cardeais da Santa Igreja...


O cardeal é um alto dignitário da Igreja Católica, que assiste o Papa em diversas competências. Eles são uma tradição antiquíssima na Igreja de Roma. Nomeados para ajudar o Papa, alguns acabam engolidos pelo seu próprio poder e pompa.

Os cardeais têm direito a muitas coisas, entre elas ao gallero púrpura (chapéu eclesiástico), brasão de armas, barrete e o anel de ouro...; eles são designados por «Eminência Reverendíssima» e incluem antes do seu sobrenome a palavra «Cardeal». Como exemplo, o arcebispo de São Paulo: «Sua Eminência Reverendíssima Dom Odilo Pedro Cardeal Scherer». A maioria deles são idosos, inteligentes e vaidosos, pois foram acostumados pela idade e posição eclesial a que sua palavra seja a mais importante, mesmo quando não tem nada novo a dizer.

Não é fácil deixar de ser funcionários bem pagos de um palacete para voltar a ser pastores nas periferias da vida. Intrigas palacianas e ameaças veladas fazem parte do menu diário destas Eminências reverendíssimas!    

O Papa Paulo VI (1897-1978) tentou simplificar e colocar um pouco de ordem nesse coletivo. Assim, pois, determinou o limite de idade para exercer funções nos diversos dicastérios da Cúria Romana, e até para eleger o Sumo Pontífice (ter menos de 80 anos). Outra Constituição Apostólica estabeleceu o limite de 120 cardeais eleitores num Conclave. A partir de então, há os «cardeais não eleitores», com idade igual ou superior a 80 anos.
Hoje o Colégio Cardinalício conta com 222 cardeais, dos quais 120 são eleitores de um novo Papa, e 102 não eleitores.
Alguns pensam que os futuros Papas deveriam ser escolhido pelos diversos presidentes das Conferencias Nacionais dos bispos, e não por estes senhores.

E você o que pensa?


4 comentários:

  1. Amigo, ainda existem cardeais que usam esta fantasia? Se sim, é uma boa medida canvidá -los para defilarem em uma escola de samba no próximo carnaval. Daria alto índice no IBOP... !

    ResponderExcluir
  2. Que falta faz cardeais como Martini, despojado...

    ResponderExcluir
  3. Influencia do império romano, quando o deus pagao era o próprio imperador. Já deveria ter sido abolido da Igreja. Quanto a escolha dos futuros papas pelos presidentes das conferencias nacionais dos bispos, neste caso seria extinta a figura do cardeal? Se assim for considero uma boa idéia. Menos hierarquia. Abraço Pe. Rámon. Margareth

    ResponderExcluir
  4. Sua sugestão é de fazer um senado na Igreja? Desconsiderando tamanho de fiéis e relevância na Igreja de cada país igualando os com um representante cada?
    Péssimo péssimo péssimo remendo.
    Imaginem essa CNBB instrumentalizada por esquerdistas escolhendo Papa, entendo agora o pq de sua sugestão.

    ResponderExcluir