ASCENSÃO: o horizonte é a alegria... (Cf. A. Palaoro SJ)

“...depois voltaram a Jerusalém com grande alegria...” (Lc 24, 52)


Slogan do(a) seguidor(a) de Jesus: Viver a alegria, exercitar-se na alegria!

A alegria brota de um encontro com a Pessoa do Ressuscitado que suscita entusiasmo, e nos faz vibrar com a “vida nova” que, nele, o Pai nos manifesta.

Na experiência da Ascensão somos movidos a recuperar o ardor e a fascinação pela pessoa de Jesus e ser mensageiros da “conversão pastoral feita de alegria, beleza, proximidade, encontro, ternura e misericórdia. Essa é, pois, a marca que nos identifica como seguidores de Jesus.

Precisamos nos converter à alegria de Deus que é autêntica paixão pelo ser humano. “A alegria do Evangelho enche o coração e a vida inteira daqueles que se encontram com Jesus. Com Jesus Cristo sempre nasce e renasce a alegria” (Papa Francisco - Ev. Gaudium).

A alegria é um estado de ânimo central na experiência cristã. Temos de contagiar a alegria do Evangelho. É preciso remover os obstáculos que impeçam a alegria.

Um sinal desta consolação interior é o olhar profundo, amplo e largo da vida. Mesmo em meio à dor e ao sofrimento, não faltam a esperança e a ternura. O cristão é feliz e faz felizes os outros. Onde há alegria, há criatividade.

A alegria brota do interior, é coisa do coração; ela emana dentro e é um dom do Espírito Santo: O fruto do Espírito é: amor, alegria (Gl 5, 22). Nossa alegria é Cristo ressuscitado.

Os Evangelhos nos revelam que Jesus vivia sereno, feliz e alegre.  Deus é alegria em si mesmo e para nós. A salvação definitiva é “entrar na alegria do seu Senhor” (Mt 25, 21). Jesus exultava de alegria no Espírito Santo.

A ressurreição de Jesus causou uma imensa alegria na comunidade dos discípulos. A alegria é contagiosa. Tem uma dimensão social e comunitária. Não estamos alegres porque Jesus está vivo, mas porque nos fez partícipes de sua ressurreição, de sua nova vida.

Os Apóstolos, depois da Ascensão de Jesus, retornaram a Jerusalém. A certeza da promessa do envio do Espírito Santo os enchia de alegria, e anunciavam com alegria e entusiasmo a ressurreição do Senhor.

“Sede alegres!”: isto é o que Deus deseja de nós. A Igreja, por vocação e missão, deve ser alegre. Toda ela é profecia de alegria e esperança.

Quem vive a partir da alegria, vive a partir do essencial. Seguir o conselho agostiniano: “A felicidade consiste em tomar com alegria o que a vida nos dá, e deixar com a mesma alegria o que ela nos tira”.
Os grandes santos foram testemunhas da alegria, e ela, como sentimento expansivo, tende a impulsionar nossa pessoa para fora, em direção aos outros. Quando servimos os outros, recebemos acrescentada a alegria.

Dormia e sonhava que a vida era alegria.
Despertei-me e vi que a vida era serviço.
Pus-me a servir e descobri que o serviço era alegria...

(Tagore).

0 comentários:

Postar um comentário