Sinodalidade na Igreja Católica...


Sínodo significa “fazer juntos o caminho” (syn= juntos; odos=caminho) ou “caminhar juntos”. O Sínodo acontece a partir da convocação do bispo (em uma Diocese) ou do Papa (em âmbito da Igreja toda).

Com tudo, confesso que não estamos acostumados a esta forma compartilhada de ser e viver. Somos muito individualistas em todos os níveis: na cúpula e na base.
A Sinodalidade é a forma mais evangélica de exercer o poder na Igreja. Uma Igreja sinodal não contradiz a unidade, mas faz parte de sua dimensão constitutiva, embora por séculos esquecida. Juntos podemos superar melhor a autorreferencialidade e corrigir o poder absoluto, prepotência internalizada dos senhores feudais.
Esta Colegialidade sinodal foi pedida, 50 anos atrás, no Concílio Vaticano II, mas ainda não implementada por resistências internas em diversas instâncias.
Como envolver mais o povo de Deus, e acelerar esta colegialidade em todos os níveis? Como colocar os leigos, eles e elas, em postos de decisão nos diversos organismos eclesiásticos?
Precisamos descentralizar o poder, como acontece nas Igrejas de Rito Oriental. Passar do “evento” passageiro de alguns para o “processo” participativo de muitos. Os bispos devem estar em comunhão com o Bispo de Roma e também com os seus fieis. Não deveria haver um bispo sem povo.
Toda atividade sinodal tem três momentos fundamentais: Preparação, celebração e ação. No primeiro momento, consulta geral; na fase celebrativa, contar com a presença de peritos, participantes e auditores; na fase da implementação, ter em conta as instâncias intermédias: locais, nacionais e continentais.
Só uma Igreja poliédrica e culturalmente diversa com Jesus como centro, consegue contentar a todos e não excluir ninguém. O Papa Francisco está tentando caminhar nesse sentido, apesar do descontentamento de alguns aferrados a antigas formas de poder.
Precisamos caminhar juntos e viver esta eclesiologia plural, inclusiva e sinodal. Uma Igreja que consulta, reza e vive na diversidade. Povo de Deus, Colégio episcopal, Religiosos, bispo de Roma... Todos em comunhão e com suas idiossincrasias.
Só assim seremos mais fraternos e ecumênicos!

0 comentários:

Postar um comentário