Decisão histórica impactará na escolha de novos bispos...


Ousada iniciativa do Papa Francisco para a eleição do seu Vigário Episcopal, isto é seu substituto para a cidade de Roma. Esta iniciativa acaba com o carreirismo clerical e poderá se estender para as escolhas dos bispos no mundo todo.

A proposta de Francisco de consultar o povo de Deus antes de anunciar o sucessor do cardeal Agostino Vallini, atual vigário, é magnífica e de acordo com o modelo de igreja sinodal que está querendo implantar.

Esse novo processo sinaliza a intenção do Papa de “democratizar” a escolha dos bispos. Tradicionalmente, essa escolha envolviam consultas sigilosas ao episcopado e a alguns poucos presbíteros escolhidos, gerenciadas pelas Nunciaturas Apostólicas. A Nunciatura seleciona os possíveis candidatos e indica os seus nomes à Congregação dos Bispos que, por sua vez, repassa uma lista tríplice ao Pontífice, responsável final pela nomeação do bispo.
Nesse sentido, a escolha dos bispos tende a se alinhar mais ao perfil de cada Pontífice. Isso explica a tendência mais conservadora do episcopado mundial, reflexo do longo papado de João Paulo II e do seu sucessor, Bento XVI.

Caso essa iniciativa do Papa Francisco prospere, as igrejas locais passarão a ter mais peso na indicação dos candidatos ao episcopado.

Bergoglio convocou de surpresa párocos e fieis da diocese de Roma, para essa consulta e indicar nomes para o sucessor do cardeal Vigário de Roma.

36 párocos da diocese de Roma indicaram por escrito os problemas e as necessidades da diocese e qual deveria ser o perfil do novo vigário episcopal. Solicitou que tal consulta se estenda também aos fiéis leigos. Nomes e opiniões deveriam chegar até o dia 12/ABR.

Nunca antes se realizou uma consulta deste tipo em Roma, diocese do Papa. 

Em suma, o Papa Francisco quer acabar com o carreirismo e escolher os melhores nomes para pastorear o povo de Deus.

E o que você pensa sobre essa decisão? 



10 comentários:

  1. amei. Já estava mais que na hora do povo opinar quem vai dirigir a nossa Igreja. Realmente desde que me lembro, os bispos e principalmente o de Roma não são (em sua maioria) aceitos pelo povo. Realmente agora vejo que a nossa Igreja está dando seus primeiros passos para uma caminhada mais rápida e popular. Obrigada Papa Francisco.

    ResponderExcluir
  2. Eu penso q é uma iniciativa inspirada. Todos somos Igreja, portanto temos tb o direito e o dever de opinar. Chega de Bispos Príncipes, que nāo chegam ao povo.

    ResponderExcluir
  3. Bom começo para as necessárias mudanças em nossa Igreja! Que se estenda às dioceses e paróquias.

    ResponderExcluir
  4. Bom começo para a necessária reforma da nossa Igreja! Que se estenda às dioceses e paróquias.

    ResponderExcluir
  5. Isso mesmo, quanto mais transparência na vida e carreira de um padre melhor para o povo.

    ResponderExcluir
  6. Fico feliz com essas posturas do Papa.

    ResponderExcluir
  7. Que notícia maravilhosa!!!! pois minha diocese mesma é uma das que nesse momento sofre com o governo de um bispo totalmente desalinhado com a realidade do chão de nossa igreja; o (dom Tarcísio nascentes) a diocese de duque de caxias no rio de janeiro, uma diocese outrora progressista dinâmica e encarnada na vida do povo, e de repente recebe um bispo clerical, canonicamente centralizador e apático ao sofrimento do seu povo, sem querer ofendê-lo; pois penso não ser dele a culpa, pois sua formação é outra, mas é um bispo príncipe, como diz o papa francisco. A diocese e ele são como água e óleo.

    ResponderExcluir
  8. Povo sabe nem escolher síndico vai escolher bispo? A democracia é o regime perfeito do capeta.

    ResponderExcluir
  9. uma decisão muito semelhante à que existia no tempo de Santo Agostinho, logo é uma forma de escolha coerente com uma tradição.

    ResponderExcluir
  10. Eu acredito que o Espírito Santo move a Igreja Católica e dá sabedoria para o Papa escolher os novos Bispos. Abrir mão desta prerrogativa, passando para os fiéis leigos não vejo com bons olhos. A Verdade nem sempre anda junto com a opinião da maioria.

    ResponderExcluir