Dialogando com a própria sombra... (cf. Marta Vieira)


E aí que eu sonhei que estava tomando café da manhã com a Dilma, aqui em minha casa... 
Ela me chamava de "Martinha" e era em extremo gentil!... Bem que eu notava que ela havia levado um farnelzinho com `quitutes´ mais requintados do que os que eu poderia oferecer, e comia deles, dissimuladamente.
E não é que acordei tomada de simpatia pela criatura? Pelo jeito, minha sombra trator, dominadora, autoritária, reativa, primária, vem me oferecer conciliação... 
Mas, continua a nutrir-se de elementos próprios, `quitutes´ que minha consciência não apreende. 
Diga-me: o que é isso que você come? Quem lhe dá? De que sutilezas vóismecê se nutre? 
Covarde, venha comer limpo à mesa da reconciliação, aceite as comidas que eu conheço!
Como eu quero me acertar com você! Mas, se a paz for impossível, façamos a trégua. É melhor do que nada... Obrigada, sombrinha, sua linda...

NB. Sem ofensa, minha gente? Não é um post politico. É psicológico. Não digo que Dilminha seja isso. Essas são, isso sim, ASSOCIAÇÕES pessoais a respeito de uma imagem onírica.



0 comentários:

Postar um comentário