RESSURREIÇÃO: ENCONTROS RE-CONSTRUTORES...



Poderemos fazer a experiência de abrir o coração àqueles que vivem nas mais variadas periferias existenciais... Quantas situações de precariedade e sofrimento presentes no mundo atual! Quantas feridas gravadas na carne de muitos que já não têm voz, porque o seu grito foi esmorecendo e se apagou por causa da indiferença dos povos ricos. A Igreja sente-se chamada a cuidar destas feridas, aliviá-las com o óleo da consolação,enfaixá-las com a misericórdiae tratá-las com a solidariedadee a atençãodevidas”(Papa Francisco – Misericordiae Vultus)

Se quisermos que a nossa vida cristã tenha a marca da Ressurreição,o convite é este: “sair do próprio túmulo”para viver “encontros carregados de vida”. É preciso remover as pedrasque foram soterrando avidadentro de nós e romper os murosque cercam nosso coração; é necessário compreender que somos chamados a um compromissodiferente e mais profundo: destravar portas e janelas, sair da reclusão de nossas casas para entrar na grande “casa”de Deus; romper com o tradicional para acolher a surpresa; deixar a margem conhecidapara vislumbrar o “outro lado”; afastar a pedrada entrada do coração para poder viver os encontros com mais criatividade.

“Viver como ressuscitado”implica esvaziar-se do “ego”, para deixar transparecer o que há de divino. Somos já “seres ressuscitados”.ORessuscitado nos faz ter um“caso de amor com a vida”.Pois a vida autêntica é a vida movida, iluminada, impulsionada pelo amor. 

Quando acolhemos a presença do Ressuscitado, nossa vidase destrava e torna-se inovação criadora,liberdade, consciência, amor, arte, alegria, compaixão.... É vida em movimento, e gesto de ir além de nós mesmos. Vida seduzida pelo amor, e pela ternura. Vida que é canto, dança, festa e convocação. Marcados pela ressurreição,passamos a nos relacionar de maneira diferente com os outros; brota em nós mais ternura, somos mais sensíveis à dor e à injustiça. O Ressuscitado nos sustenta e nos impele a ampliar nossa vida a serviço. 

“Olhar o ofíciode consolar que Cristo nosso Senhor exerce”(EE. 224) S. Inácio utiliza esta expressão quando apresenta a contemplação das aparições do Ressuscitado.Consolar é o que define a ação do Ressuscitado: a tristeza se converte em alegria contagiosa, o medo em valentia, a negação de Cristo em profissão de fé e martírio... Não é um ato pontual, mas de um `ofício´de seu Espírito no mundo.

O efeito da presença do Ressuscitado sobre os discípulos termina sempre em reconhecimento, chamado e envio, em restauração de uma vocaçãomissão. Jesus ressuscitado exerce sobre eles o “ofício de consolar”,cujo efeito é iluminar o caminhopelo qual, em seu nome e com Ele, eles hão de percorrer. O “ofício de consolar” é a marca do Ressuscitado. Jesus ressuscitado se encontra com cada um dos seus amigos e amigas, ativando neles o sentido da vida, reconstruindo os laços comunitários rompidos... A consolaçãoé uma expressão do Ressuscitadoque reconstrói vidas marcadas pela dor e pelo fracasso.

“Consolação”e o verbo “consolar”revelam um tipo de proximidade e comunhão com o outro capaz de transmitir-lhe compreensão, alento, acolhida, impulso. Nos Exercícios Espirituais, consolaçãoconsolar são a linguagem e ação de Deus no ser humano, comunicação do Criador com a criatura, e não deixa a pessoa consolada no mesmo lugar ou situação onde estava antes. A consolação de Deus é sempre dinamizadoradaquilo que é divino no ser humano, e mobiliza a pessoa a sair de si mesma na direção do outro fragilizado gerando amor, alegria, fé, entusiasmo... Termina sempre em missão.

Somos consoladosem nossas tribulações para poder consolaros outros nas suas. Exerçamos o “ofício de consolar”; a experiência da Ressurreição nos move a exercer este ministério humanizador.


0 comentários:

Postar um comentário