O Papa e o novo cardeal Krajewski jantam com os pobres...


Um dia após ser criado cardeal pelo Papa Francisco, o Esmoleiro Pontifício organizou um jantar que reuniu mais de 280 pobres, no refeitório do Vaticano. A surpresa foi a chegada do Papa Francisco sentando-se no meio deles. Nem mesmo o novo-cardeal sabia que o Papa viria. "Eu vim para os pobres, não para você", disse Francisco sorrindo a Dom Corrado.
Francisco partilhou o jantar e ficou cerca de duas horas conversando com os presentes. Cerca de sessenta voluntários serviram o jantar para os pobres.

Foi uma visita de um calor muito especial porque foi uma refeição de um novo cardeal com os pobres. Para grande surpresa de todos, chegou o Santo Padre. Pensávamos que fosse uma simples saudação e que iria embora durante o jantar.

O Papa cumprimentou a todos com muito carinho. À nossa mesa estavam sentados vários refugiados sírios que chegaram com nossos corredores humanitários.

A integração dos pobres e refugiados é fundamental. O problema é quando não há integração e falta trabalho. 

Na nossa mesa havia também outro refugiado que lhe contou como chegou à Itália: uma jornada de onze meses, também através do deserto, uma viagem definitivamente cheia de perigos e armadilhas. Ele chegou aqui na Itália há alguns anos e também se integrou. Outro amigo do Senegal, um muçulmano, disse a ele que é a terceira vez que se encontra para almoçar com um Papa. Ele lhe disse que já tinha estado no almoço tanto com São João Paulo II como com Bento XVI, e esta era a terceira vez. Então o Papa Francisco lhe disse: tu fazes coleção de Papas!

Dom Konrad explicou ao Papa que também colaboramos para organizar o funeral de quem morre na rua. É uma maneira para dar dignidade àqueles que foram descartados e tiveram uma vida particularmente difícil. 

A presença das crianças era muito visível e alegre em torno do Santo Padre. 

O Papa repetiu que a Europa está à beira do suicídio porque o fato de não aceitar os imigrantes e de não ter filhos não abre perspectivas para o futuro do continente

O Papa se identifica muito com os pobres e principalmente com os que estão na prisão. De fato, junto com o Papa, cada um de nós poderia dizer: 'Eu também poderia ser pobre'. 

O Santo Padre ficou muito impressionado com o fato de que dissemos a ele que muitos sem-teto nos ajudam a ajudar os outros. Por exemplo, quando houve uma emergência com o frio este ano, muitos deles nos ajudaram a trazer cobertores. Eu acho que o problema para os pobres é recuperar a dignidade que lhes foi negada. E é exatamente o mesmo para nós: ajudar os outros é ter dignidade.

Lembrei do meu amigo José Sobrinho, ACVM/CVX, e que todas as quartas-feiras dá um jantar para mais de 300 pessoas em situação de rua, na sede da ACVM, bairro São Cristovão do Rios de Janeiro...


0 comentários:

Postar um comentário