Avaliação do caminhar da Igreja em 2018...


ano de 2018 chega ao seu fim. Procuremos ver nele aqueles acontecimentos que marcaram, no seu dia, a vida da Igreja, e façamos a nossa avaliação. Eu lembro de alguns, mas você pode destacar também outros: 

05 a 21/JAN. Viagem do Papa ao Chile e ao Peru. Foi no início do ano. No Chile a desagradável surpresa de encontrar alguns bispos chilenos acobertadores de um clero pederasta. Foi o início de uma multidão de escândalos na Igreja católica. O Papa não quis tampar o sol com a peneira e os casos vieram escandalosamente a público: Chile, Pensilvânia, Irlanda, Austrália, Espanha...   

19/JUN. Criação de 14 novos Cardeais na Basílica de São Pedro, no Vaticano. 14 cardeais procedentes de 11 países. 14 bispos de peso e significado nos países onde atuam. Parece que acabou o carreirismo clerical!

25/AGO. Estoura o caso do Arcebispo Carlo Maria Viganò, ex Núncio Apostólico nos USA. Numa carta difundida no dia 25/AGO, este monsenhor acusou publicamente diversos sacerdotes, bispos e cardeais, por encobrir más condutas sexuais do Arcebispo Emérito de Washington, ex cardeal Theodore McCarrick. O ex Núncio acusou também o Papa Francisco, por levantar em 2013, as sanções impostas por Bento XVI a McCarrick. Em junho, McCarrick foi proibido de exercer qualquer ministério, e excluído da sua condição cardinalícia. A raiva clerical uma vez solta se transforma num verdadeiro tsunami eclesial... 

25 a 26/AGO. Encontro Mundial das Famílias, na Irlanda, com a presença do Papa. Lema do encontro: “O Evangelho da Família: Alegria para o Mundo”. Evento internacional que se realiza a cada três anos congregando famílias do mundo todo, para celebrar, rezar e refletir sobre a importância da família, como pedra angular de nossas vidas, sociedade e Igreja. 

12/SET. Anuncio do encontro mundial dos presidentes das Conferências Episcopais para afrontar o tema dos abusos. A reunião será no Vaticano, nos dias 21 a 24/FEV/2019. Não me estranharia que se tocassem também outros temas de grande interesse eclesial.

22/SET. Acordo histórico entre o Vaticano e a China para reconhecer os bispos nomeados pelas autoridades comunistas. Buscando o bem da comunidade católica na China, o Papa decidiu readmitir à plena comunhão eclesial os 7 bispos ‘oficiais’, ordenados sem mandato pontifício” e que ainda não estavam em comunhão com Roma. Já não há mais duas comunidades católicas (a clandestina e a patriota), mas uma só Igreja católica na China.

14/OUT. Canonização de Mons. Romero, Paulo VI e outros 5 beatos. A cerimônia se realizou na Praça de São Pedro, no Vaticano. Imagino que o Papa João Paulo II se remexeu no seu sepulcro, e com ele os outros burocratas da Cúria Romana, ainda sobreviventes, e que se opuseram terrivelmente contra a Teologia da Libertação.

3 a 28/OUT. Sínodo dos bispos tendo como tema: “Os Jovens, a fé e o discernimento vocacional”. Sínodo discreto e sem grandes horizontes ou compromissos. Estamos ainda aprendendo a ser uma Igreja também Sinodal.

Nada mal para um homem de 81 anos! 2018 foi um annus terribilis para o Papa Francisco, pelos percalços que a história lhe proporcionou. Contudo, parabenizamos o Papa e à sua equipe de trabalho por esta maratona evangélica.

Você acrescentaria mais alguns eventos? 





0 comentários:

Postar um comentário