Hospitalidade eucarística... (cf. A. Dall'Osto)



Na Alemanha católicos e luteranos fizeram um documento que norteia aonde ambos querem chegar: Juntos na mesa do Senhor.

 

O documento suscitou um agitado debate entre alguns bispos mais tradicionais da Alemanha: Uns diziam que as diferenças entre católicos e luteranos não eram tantas e outros que elas eram determinantes e excludentes.

 

A Congregação para a Doutrina da fé entrou em cena tomando parte na discussão: Não é possível a recíproca hospitalidade eucarísticadisseram, pois há diferenças substanciais na compreensão da Eucaristia e do ministério. E não ha também uma base para uma decisão pessoal em consciência. Outros, diziam que esta possibilidade criaria maiores problemas com os ortodoxos... Voltou-se, pois, a estaca zero.

Georgios Vlantis, importante teólogo ortodoxo, afirmou em um artigo que há ampla convergência entre a tradição ortodoxa e a católica sobre a Eucaristia, e que a aproximação com os luteranos criaria um distanciamento com os católicos.

 

Nos países de língua alemã, alguns teólogos dizem, que apesar da proximidade teológica entre ortodoxos e católicos, a afinidade cultural entre protestantes luteranos e católicos prometem um progresso ecumênico muito maior. O convite de Jesus é à unidade não à uniformidade. 

A pergunta sobre o relacionamento entre comunhão e excomunhão apenas foi acenado... 

A Igreja lutou muito na história, para manter a sua identidade. É o próprio Cristo que nos convida à Eucaristia. Ele é o caminho, a vida e a verdade. A unidade da Igreja em Cristo acontece como no amor e na verdade. Se a Igreja tem dois pulmões devemos ter cuidado para não pegar uma pulmonia dupla com consequências graves e imprevisíveis.   

Todos somos diversos e só cabemos num estilo de igreja poliédrica, onde o próprio Cristo seja o centro de todos nós. 

 

0 comentários:

Postar um comentário