5ª REGRA do discernimento da 2ª Semana dos EE...




[333] 5ª regra. Devemos atender muito ao decurso dos pensamentos. Se o princípio, o meio e o fim são todos bons, inclinados inteiramente para o bem, é sinal do bom anjo. Mas se o decurso dos pensamentos sugeridos termina em alguma coisa má ou que distrai ou que é menos boa do que a que a alma se propusera anteriormente fazer, ou enfraquece ou inquieta ou conturba a alma, tirando-lhe a paz, tranquilidade e quietude que antes possuía, então é sinal claro de que provém do mau espírito, inimigo de nosso proveito e salvação eterna. 



5. Temos que ficar muito atentos aos processos de nossos pensamentos e questões. Se, do começo ao fim, são positivos, podemos segui-los. Mas, se começam em bom caminho, e logo vão se desviando dele, ou se vamos perdendo a verdadeira liberdade ou a tranquilidade e paz profunda, então teremos que resistir a eles. 

 

 

Esta regra nos dá conselhos para que possamos descobrir os “enganos secretos” do “anjo mau, que se disfarça em anjo de luz”. Para isto, vai fixar-se em duas coisas: 1ª Os pensamentos que existem por detrás de minhas boas intenções, que me enchem de consolação e 2ª o que vou sentindo. A regra propõe que nos fixemos não apenas nas razões, mas também nos sentimentos. Somente quando levamos em conta estas duas coisas é que poderemos descobrir nossos enganos e desculpas.

 

- Devemos atender muito ao decurso dos pensamentos; ficar atentos aos processos de nossos pensamentos e questões. Todos os “pensamentos” que me movem, na consolação, têm sua história e seu percurso em minha experiência. Estarmos atentos a esse percurso.

 

- Se o princípio, o meio e o fim são todos bonsse, do começo ao fim, são positivos: a história de nossos “pensamentos” tem um princípio, um percurso e apontam para algo. Diz s. Inácio que todo esse processo deve ser bom. É o mesmo que pedimos na oração preparatória: temos que nos responsabilizar não apenas pelas boas intenções, mas também por tudo o que vier depois. Aqui, ele quer que controlemos tudo o que formos vivendo, e que não fiquemos tranquilos porque o começo foi bom, dando por suposto que o que vier depois também o será.  

 

- inclinados inteiramente para o bem: falamos de “inclinação” quando algo não está claro, mas que pressentimos para onde tenderá sua inclinação. Pois bem, ele quer que nos atentemos para ver se o que estamos vivendo se inclina (aponta) para o bem.

 

- é sinal do bom anjo; podemos segui-los: quando comprovamos que todos nossos pensamentos apontam ao “para” do Princípio e Fundamento.

 

-  Mas se o decurso (percurso) dos pensamentos sugeridos termina em alguma coisa:

 

1.    : às vezes, pegos de surpresa, descobrimos em nós, coisas não tão boas como acreditávamos ter. É necessário coragem e sinceridade para reconhecê-lo.

 

2.    ou que distrai. O que quer dizer “que distrai”? Não é alguma coisa má, como a anterior, mas tampouco leva a algo bom. Simplesmente, não leva a nada. Podemos dizer que nos “distrai”do “para” do P.F. É simplesmente “passar um bom momento”: isso não vale a pena e nem preenche a vida. Seria algo parecido ao  fosso que as fantasias sobre aquela senhora nobre, deixavam em s. Inácio: “ficava seco e descontente”. É o mesmo que se mover no Estímulo-Resposta: uma vez que demos uma “resposta”, necessitamos outro “estímulo”. Se observarmos bem, nada disto é ruim em si mesmo, mas, se nos deixa sem rumo, sem nada que nos preencha, terminamos apenas “passando” por algo, mas não “vivendo”.

 

3.    ou que é menos boa do que a que a alma se propusera anteriormente fazer: é a terceira coisa que pode nos fazer suspeitar de que a consolação que temos é falsa: quando nos deixa na metade do caminho. Quer dizer, no começo eu apontava para o 100, e estou no 60. Isto não é bom sinal (não estou “subindo de bem para melhor”), e somente eu mesmo posso descobrir isso e,  se tiver o valor necessário para reconhecê-lo).

 

- Mas, se começam em bom caminho, e logo vão se desviando dele, ou se vamos perdendo a verdadeira liberdade. Até aqui, nos fixamos nos “pensamentos” que estão por trás da consolação. Agora, s. Inácio quer que atentemos a algo mais simples, mesmo que não tão claro: o que sentimos...

 

1.    ou enfraquece ou inquieta ou conturba a alma: a pessoa perde força e alegria.

 

2.    tirando-lhe a paz, tranquilidade e quietude que antes possuía: sinal de alarme que nos avisa que o nosso “para” está mudando e que, portanto, temos que suspeitar de nossa consolação. É sinal para descobrirmos, em nossos “pensamentos” ou “sentimentos”, algum destes enganos.

 

3.    então é sinal claro de que provém do mau espírito, inimigo de nosso proveito e salvação eternaentão teremos que resistir a eles.

 

0 comentários:

Postar um comentário