Boris se casa com Carrie na Catedral de Westminster...


Boris Johnson (56 anos) e Carrie Symonds (33 anos) se casaram na Catedral católica de Westminster. A cerimônia pequena e discreta contou com a presença de alguns amigos íntimos e familiares.

Downing Street não quis comentar porque Johnson sempre operou com base no princípio de que sua vida pessoal deve permanecer privada.

O número total de convidados foi 30, o máximo permitido pelas restrições da Covid, e o casamento ocorreu no início da tarde. A noiva usava um vestido branco esvoaçante sem véu.

Quem fez o casamento foi o Pe. Daniel Humphreys, o mesmo que fez o batizado do seu último filho Wilfred, em setembro do ano passado.

Esta foi a primeira vez que um primeiro-ministro se casou no cargo desde Robert Banks Jenkinson, em 1822.

Johnson é divorciado duas vezes. Ele e sua segunda esposa Marina Wheeler foram casados por 27 anos e se divorciaram no ano passado. Eles tiveram quatro filhos juntos. Johnson também tem uma filha com Helen McIntyre, uma consultora de arte. Ele foi casado com Allegra Mostyn-Owen de 1987 a 1993 e esse casamento foi anulado.

Houve algumas reações dentro da Igreja Católica. O Pe. Mark Drew, com bom senso disse: “Alguém pode me explicar como 'Boris' Johnson, que deixou a Igreja Católica e é divorciado duas vezes, pode se casar na Catedral de Westminster, enquanto eu tenho que dizer a um católico praticante e que desejam um segundo casamento, que isso não é possível na Igreja católica?”

Outros explicam se perguntam: como Johnson, batizado como católico, tem dois casamentos não católicos, não reconhecidos pela Igreja Católica, e fica livre livre para se casar novamente se quisesse. Para um não católico convertido, um primeiro casamento em um ambiente não católico seria reconhecido como válido pela Igreja, e isso precisaria ser anulado se eles desejassem se casar novamente em uma igreja católica. Um outro católico inglês se queixa: Como diabos um adúltero em série, divorciado múltiplo, consegue ter um casamento em uma catedral católica?

Uma das explicações mais completas foi dada pelo biógrafo papal Austen Ivereigh, que falou na BBC. “Muitos perguntaram: como é que a Igreja Católica, famosa por seu vigoroso compromisso com a permanência do casamento, pode testemunhar o matrimônio de um Primeiro Ministro, divorciado duas vezes, o que é publicamente notório?

Os católicos têm direito aos sacramentos. Para se casar sacramentalmente, ambos os parceiros devem ser cristãos batizados (neste caso, ambos são católicos batizados) e pelo menos um deve ser católicoBoris é um anglicano convicto.

Os dois casamentos anteriores de Boris (provavelmente) não tinham forma canônica, ou seja, não foram reconhecidos pela lei católica. Ele não precisava de uma anulação.

É bom saber que, quando a forma canônica do casamento não foi observada e o casamento não foi posteriormente validado na Igreja, um processo administrativo simples é usado para declarar tais casamentos inválidos na lei da Igreja.

“Outra exigência é que os cônjuges envolvidos recebam instrução, para que entendam perfeitamente o que estão fazendo e o que a Igreja ensina sobre o casamento (indissolúvel, etc). Carrie e Boris receberam instrução durante muitos meses.

“O padre que os instruiu, o administrador (chefe) da Catedral de Westminster, Pe. Daniel Humpreys, também batizou o filho deles, Wilfred, em dezembro, na Capela de Nossa Senhora, onde ontem se casaram.”

Tanto Boris como sua noiva foram catequizados por alguns meses. É proibido a um primeiro ministro da Inglaterra ser católico, por motivos, políticos e constitucionais da Igreja Anglicana. Mas esperemos que ele faça um caminho de fé e lhes desejamos todo o apoio na sua vocação matrimonial.

 

0 comentários:

Postar um comentário