Peregrinando por Manresa... Pe. J. Carlos Rengucci, PSCC

 


Com esta atitude de peregrinos, retomamos os nossos passos por aquela pequena Manresa, onde Inácio ficou por 8 meses, e saiu como pobre peregrino. Vamos encontrar diferentes pontos característicos que fazem de Manresa, uma cidade que conquista tantos corações inacianos. Quatro pontos nos ajudarão a nos aproximar da Jesus. Que Deus nos seja sempre propício...


Um dos pontos, às margens do rio Cardoner era a capela da Virgem da Guia e uma coluna esguia, encimada com uma cruz de ferro batido, junto da ponte românica, para proteger os viandantes que se aventuravam por esses caminhos de Deus. O conjunto da Guia (capelinha e cruzeiro) foi o primeiro local que Inácio visitou, pouco antes de cruzar o rio em busca de uma gruta adequada... Além disso, alguns testemunhos da época narram acontecimentos milagrosos, vividos por Inácio, ao pé dessa cruz.


Outro ponto é a Cruz gótica da Culla, do ano 1413. Lembro que Inácio de Loyola fico um pouco mais do ano de 1522, em Manresa. Quando ele chegou a Manresa, segundo várias testemunhas, costumava ir ao pé dessa Cruz para pedir esmolas. Movido pela sua grande devoção, orava e meditava aos pés da cruz, onde teria tido uma experiência iluminadora.


Falta falar da Cruz del Tort, do século XIV. Situada numa das vias de entrada e saída de Manresa, marcando o início ou o fim da jurisdição da cidade. Esse ponto, era um dos lugares onde Ignacio costumava parar para rezar nas longas caminhadas que fazia durante sua permanencia em Manresa. Hoje, na cruz atual, você pode ver uma pequena imagem de Santo Inácio sob um pequeno abrigo.


Chegamos ao último ponto de nossa jornada, a Cruz Beuys Cross, uma obra moderna do escultor dinamarquês Björn Norgäard, de 1994, também localizada ao pé da ponte românica. Mantém a forma de uma cruz fendida que pretende simbolizar a alma dividida, entre a intuição e a razão típica do homem contemporâneo.


Todos esses pontos que encontramos na cidade foram de grande ajuda para a devoção de Inácio ao orar nessas cruzes públicas. Podemos lembrar também que, quando tinha que ficar na gruta, por alguma impossibilidade, se fortalecia orando diante de 3 cruzes gravadas na rocha, feitas por ele mesmo. Os que visitam a Gruta podem ver essas três cruzes na rocha, protegidas por um pequeno e discreto vidro. 


A espiritualidade de Inácio é Cristo-cêntrica, e até o nome de Companhia de Jesus, mostrava a quem ele pertencia. 


Nos Exercícios Espirituais, sua oração experimentada em Manresa, ele dedicará a Terceira Semana para contemplar os Mistérios da paixão e morte do Senhor. 


A oração de Inácio não é uma brincadeira piedosa, mas é sentir na própria carne o que Jesus passou na sua vida mortal por amor a todos nós...                                                       (Continuará…) 

 

0 comentários:

Postar um comentário