Encontro do Papa com os bispos luteranos...

Francisco com bispos luteranos...

O que esperar do encontro do dia 31/OUT, entre o Papa Francisco e os representantes das Igrejas luteranas, na Suécia? Não é mais uma visita fraterna, mas o fim da separação das nossas igrejas! Isso todos esperamos...

Passaram-se 500 anos daquele dia em que o monge agostiniano Martinho Lutero fixou, sobre a porta da catedral de Wittenberg, suas 95 teses, 31/OUT/1517, e que dividiram gravemente à Igreja católica.

Foram tempos infindos de rivalidades, guerras e torturas de ambas as partes. A radicalização religiosa cortou o diálogo e a fraternidade. Como esquecer a noite de São Bartolomeu, 24/AGO/1572, quando 23 mil huguenotes (protestantes franceses) foram traídos e massacrados em Paris e em outras cidades da França?

Esperamos que no próximo dia 31/OUT esta interminável divisão seja historicamente superada. Todos perdoando todos, pois todos pecamos. Perdão a Lutero e aos seus descentes. Perdão ao Papa e à Igreja católica... Oxalá reforcemos nossa fraternidade, pois temos o mesmo batismo e o mesmo Senhor Jesus.

Ritos e liturgias poderão ser distintos ou parecidos, mas a fraternidade deverá ser oficialmente selada. Fraternidade que, provavelmente chegará aos anglicanos e, num futuro próximo também aos ortodoxos.

Todos os católicos e protestantes estão de acordo com isto? Provavelmente não, mas a maioria sim. Chegou a hora, tão esperada, de viver uma Igreja reconciliada na diversidade.

Desde já rezo para que isso aconteça. E você o que pensa?

5 comentários:

  1. Torcemos para que isso aconteça! Que os participantes deixem o Espírito Santo agir

    ResponderExcluir
  2. Eles estão dispostos a reunião seus erros teólogicos? Se não, isso é pecado

    Heitor

    ResponderExcluir
  3. Deus te ouça, meu amigo Ramon! Deus te ouça!
    Pecado é estarmos separados em nome Dele, que nos une!

    ResponderExcluir
  4. Eliane Salustiano dos Santos31 de outubro de 2016 17:56

    Quando todos os cristão tomarem consciência de que jesus Cristo não fundou nenhuma Igreja, mas sim uma comunidade de irmãos em torno do Evangelho-Boa Nova que Ele nos deixou, então entenderemos que toda doutrina que busque viver o mandamento do amor que salva e liberta, no seguimento do Senhor Jesus e no cumprimento da vontade do Pai, aí, sim, viveremos a fraternidade de mãos dadas, independente de nossas religiões.
    Que o Espírito nos ilumine e santifique.

    ResponderExcluir
  5. Deus te ouça.
    Tomara que tudo acabe bem.

    ResponderExcluir