Salmo 23 e o Princípio e Fundamento... (cf. Joana Eleutério)



O que o Salmo 23 e o Princípio e Fundamento têm em comum, além do número 23? 

Lemos o texto com a nossa história e também o rezamos da mesma forma.

O Senhor é o meu pastor, nada me falta... Peço-Lhe a serenidade dos meus afetos ordenados para me experimentar como sujeito criado para louvar, reverenciar e servir a Deus nosso Senhor

Ele me faz repousar em verdes prados, a águas tranquilas me conduz... Deus me conhece desde sempre, me salva e me coloca nessa Casa Comum que é a Criação; e me pede que cuide dela, e ajude todos a serem felizes. 

Restaura minhas forças, guia-me pelo caminho certo, por amor do seu nome... Todas as coisas sobre a face da terra foram criadas para me ajudar a alcançar o fim para o qual fui criado. 

Se eu tiver de andar por vale escuro, não temerei mal nenhum, pois comigo estás. O teu bastão e teu cajado me dão segurança... Dessa maneira, eu me torno capaz de usar das coisas, tanto quanto elas me ajudem a atingir o meu objetivo e delas me privar tanto quanto elas possam ser um obstáculo. 

Diante de mim preparas uma mesa aos olhos de meus inimigos; unges com óleo minha cabeça, meu cálice transborda. Com a graça de Deus fico livre diante de todas as coisas criadas para poder discernir por onde Deus me leva, e concretizá-lo com alegria, e deixando de lado tudo o que não me ajuda como discípulo do Senhor.

Felicidade e graça vão me acompanhar todos os dias da minha vida e vou morar na casa do Senhor por muitíssimos anos. Tenho saúde? Glória a Deus; doença? Glória a Deus também. Tenho riqueza? Glória a Deus por partilhá-la; pobreza? Glória a Deus por Ele ser nosso Pai. Vai tudo bem? Glória a Deus; Tudo mal? Glória a Deus também; Ele cuida de mim... Mas que eu possa sempre desejar e escolher somente aquilo que mais me ajuda  para o fim que fui criado. 

O Salmo 23 caracteriza-se fundamentalmente pela bondade do Pastor com as suas ovelhas. Sinto que o Princípio e Fundamento dos Exercícios Espirituais só será rezado com profundidade quando eu tenha absoluta confiança em Deus como Pai, que é a verdadeira fonte de amor e misericórdia, de paz, serenidade e alegria. Rezar, com a humildade de uma ovelha sem pastor e deixando-me nutrir pelo precioso “alimento que é fazer a vontade do Pai”.

Peço a capacidade de viver a “indiferença inaciana” (liberdade interior), como caminho e não como meta ou objetivo. Talvez possa dizer que percebo o Princípio e Fundamento como a minha resposta ao zelo amoroso de nosso Deus e Pastor...


0 comentários:

Postar um comentário