Retirar-se a tempo…


Não é fácil retirar-se a tempo quando a vida te colocou em destaque.  Que o diga o Bispo emérito de Roma, Ratzinger, ou agora Enzo Bianchi, fundador e recém superior emérito da Comunidade de Bose/Itália. Quando o próprio ego se superpõe à comunhão fraterna, todos sofrem e padecem. 
Aconteceu agora com a Comunidade ecumênica de Bose. O fundador e outros três membros da Comunidade, deverão deixar seus cargos e mudar-se para outro lugar. Bianchi era a 'alma' desta comunidade, e um expert no diálogo ecuménico.
Foi um golpe duro, mas esperado pela maioria. Após muito diálogo, e cuidadoso discernimento a Santa Sé definiu a situação esdrúxula criada, após a eleição do novo superior. Sempre haverá a tentação de obstruir as propostas da nova equipe eleita, rompendo-se a comunhão fraterna. E quando o fundador (ou fundadora) entra nessa disputa a comunidade fica gravemente ferida. 
Por isso, vejo a sabedoria dos jesuítas, pois nas duas vezes que experimentamos a renúncia por idade de nosso Superior Geral, essas pessoas voltaram para suas províncias de origem: Oriente Médio (Síria) e Japão, dissipando possíveis intromissões. Eu já vi um colega dizer que não assumiria tal obra se o Provincial não tirasse dela o anterior responsável...  

Por desgraça, o que é realizado em âmbito universal, muitas vezes não acontece em nível local, gerando não poucas tensões e discussões.      
Saber retirar-se a tempo é uma sabedoria do Espírito Santo. 


Um comentário: